em

Como professores e alunos estão se adaptando ao ensino a distância

Adaptação às aulas online durante a pandemia COVID-19

(Imagem ilustrativa/Freepik)

Assim que deflagrada a crise do Coronavírus, os professores, tanto da rede pública quanto privada, logo perceberam que a vida estava prestes a mudar.

E então, em poucos dias, escolas e universidades tiveram que fazer a mudança para o ensino 100% online.

Poucos professores tinham experiência em ensino online, e a maioria nunca nem havia marcado uma única reunião do Zoom. Eles tinham muito a aprender, mas também receberam muito apoio das suas coordenações e dos seus próprios alunos, que por serem mais novos, tem mais facilidade com o digital.

“Estou encantada com o corpo docente, funcionários e alunos, e como eles se  adaptaram rapidamente”, disse uma das professoras entrevistadas.

A transição não foi fácil. Mas também provocou adaptações criativas e esforços para fortalecer o ensino que professores e alunos dizem que continuarão a influenciar o ensino superior muito depois que as aulas presenciais retomarem.

Construindo uma comunidade virtual

Como você constrói comunidade quando não consegue se encontrar cara a cara? Esse foi um desafio fundamental para as escolas e universidades, no sentido de enfrentar o corpo docente enquanto planejavam essa nova forma de ensinar.

As evidências sugerem que, em tempos de incerteza, ter oportunidades de se unir e se conectar pode realmente ser significativo e importante. Os professores não podem mais apenas dar palestras, tal qual um monólogo,  mas têm que encontrar maneiras de os alunos contribuírem para a conversa.

 Os instrutores, por exemplo, estão fazendo com que os alunos deixem suas ideias na caixa de bate-papo e pedindo que respondam rapidamente às perguntas através de pesquisas online, fornecendo feedback imediato sobre o quão bem eles entendem um conceito. Discussões em pequenos grupos agora ocorrem em salas de descanso virtuais, com uma diferença importante da sala de aula — os instrutores não podem andar pela sala para fazer check-in e responder perguntas. Como resultado, os professores aprenderam que devem fornecer orientações extremamente claras e escritas que os alunos podem se referir durante essas conversas de fuga.

Algumas dessas ferramentas aumentaram a participação. Há algo sobre ter a segurança dessa barreira física de estar online que faz com que mais alunos façam perguntas e participem.

O ensino online, dizem os instrutores, também exigiu que eles se concentrassem no material mais essencial. Eles simplesmente não podem cobrir tanto em um ambiente on-line. Pode levar mais tempo para “ser realmente claro e compartilhar informações neste formato”, disse um deles, e para que os alunos se instalem em salas de descanso ou mudem entre as telas do Zoom.

Para uma das alunas entrevistadas, o ensino online tem sido “emocionante e desafiador”. Também é estressante, ela disse, porque você está aprendendo ao mesmo tempo que outras coisas acontecem. “Para ser honesta, ter problemas técnicos no início da aula pode ser suficiente para me distrair durante toda a aula.

Muitos instrutores expressaram frustrações semelhantes. Eles estão se apoiando através de reuniões semanais e começaram a observar as aulas uns dos outros para aprender como os outros usam os recursos do Zoom. Os desafios permanecem, mas alguns antigos céticos estão sendo convertidos às aulas online.

“Nunca pensei que diria isso mas estou realmente amando o ambiente online”, confessou um deles.

Transições para o aprendizado online

Nem todos os alunos estão tão entusiasmados com a transição para o aprendizado online. Tem sido “mais uma chatice da pandemial” “É triste não ver seus amigos e colegas.”, relatou um dos entrevistados.

Muitos parecem decepcionados por perder a experiência presencial. Embora muitos deles se sintam mais confortáveis respondendo às perguntas dos professores na caixa de bate-papo do que falando em sala de aula, discussões de fuga podem ser “estranhas” porque os alunos não se conhecem.

Por outro lado, eles também se sentem muito gratos pelos esforços de seus professores para reformular as aulas para o aprendizado online. “Seus ajustes rápidos e a constante solicitação de feedback das aulas me dizem que eles realmente se importam e se esforçam para tornar o ambiente de aprendizagem online o mais enriquecedor possível”, disse um dos alunos.

Há uma discussão acerca da acessibilidade das aulas para diferentes classes, pois para ter acesso às aulas é necessário ter uma internet boa e estável, o que não é a realidade de todos os brasileiros. Esse foi inclusive um dos argumentos-chave no adiamento na data do ENEM 2020. Apesar dos desafios, os alunos estão fazendo um “esforço fenomenal” para estarem presentes.

Interrupções estimulam mudanças

À medida que os alunos e os instrutores percebem que podem ser bem sucedidos em um ambiente online, as ofertas de cursos online provavelmente se expandirão, dizem os professores.

“Isso me faz considerar coisas que nunca pensei antes”. Embora seja mais difícil fazer aprendizados ativos e baseados em aulas on-line, as pessoas estão percebendo que não é impossível. Às vezes é preciso grandes interrupções que nos forcem a mudar.

Da Redação, com agência*

*Com Agência de Notícias
Envie seu conteúdo para análise editorial: redacao@folhageral.com.br
Conheça as condições em https://www1.folhageral.com/termos-e-condicoes

(Foto: Divulgação/DNIT)

Governo Federal entrega 84 quilômetros de pista recuperada na BR-030/BA

(Foto: Manu Dias/GOVBA)

Prefeituras da Bahia ainda têm oportunidade de comprar ônibus escolares pelo programa Caminho da Escola