Categorias
Economia

Buscas pelo termo “golpe do empréstimo consignado” têm alta de 250%

De um lado, o crescimento do mercado de concessão de crédito e o aumento da transformação digital. De outro, a alta nos casos envolvendo golpes e tentativas de fraudes ao procurar por linhas de crédito, principalmente pela internet. Ao pesquisar por alternativas para obter dinheiro extra, os brasileiros têm tentado dobrar os cuidados no que diz respeito a fraudes financeiras, visto que cada vez mais golpistas têm realizado os ataques através de serviços digitais, como é o caso do WhatsApp e do saque FGTS. É o que aponta um recente levantamento do Índice FinanZero de Empréstimos (IFE), que revelou que as buscas por “golpe do empréstimo consignado” teve um aumento de 250% somente em abril de 2022

No ano passado, os golpes financeiros online cresceram 164%, atingindo mais de R$34 bilhões de reais anuais, segundo um levantamento da Trading Platforms. Com o uso da tecnologia para pagamentos, pedidos de crédito e compras online, os golpistas têm cada vez mais utilizado meios digitais para realizar essas fraudes, seja através de SMS, ligação, links falsos, mensagens em aplicativos de conversas e, até mesmo, via PIX.

Apreensivas com esses episódios, as pessoas têm pesquisado bastante no Google por temas associados a fraudes financeiras e a meios seguros de como fazer pedidos de empréstimo e portabilidade de consignado, por exemplo. Conforme informações disponíveis no IFE, foram analisadas 5,46 milhões de consultas no buscador por termos relacionados a crédito, no período de 01/04 até 30/04. Este número exemplifica a alta na procura por crédito e, consecutivamente, a preocupação em fechar negócios com empresas e serviços seguros e confiáveis.

Segundo Olle Widén, CEO e co-fundador da FinanZero, “No ano passado, aqui no Brasil, aconteceram diversos casos de vazamento de dados em que informações pessoais foram expostas em sites da internet. Consequentemente, isso sensibiliza ainda mais os cidadãos. Temos observado cada vez mais a prática do phishing no país, em que fraude e enganos são utilizados para manipular as pessoas e obter dados confidenciais, além dos crimes financeiros em que os golpistas ficam com o dinheiro solicitado, e as vítimas, com a dívida. Por isso, antes de procurar por linhas de crédito, é importante se certificar que o site é seguro e que aquele serviço está dentro da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). É necessário ter uma atenção ainda maior aos links que chegam através de SMS e em grupos do WhatsApp”, aconselha.

Segurança é tudo: dicas de como fazer empréstimo sem cair em golpes

 1. Pesquise as informações cadastrais da empresa, como, por exemplo, o CNPJ, e verifique a segurança do site;

2. Além dos dados cadastrais, pesquise a reputação da empresa diante dos consumidores, como sites de reclamações, redes sociais da marca e até mesmo no Google;

3. Não faça pagamentos antecipados para a liberação do crédito. Empresas corretas não exigem (e nem devem exigir) esse tipo de taxa;

4. Exija uma cópia do contrato, o documento reúne todas as informações da transação financeira;

5. Evite repassar informações pessoais via telefone. Caso necessário, aguarde o atendente informar os dados para depois confirmar.

Categorias
Economia

BNB prevê investir R$ 1 bilhão em microcrédito na Bahia no 2º semestre

Os microempreendedores da Bahia terão à disposição R$ 1 bilhão para incentivar seus negócios no segundo semestre deste ano. Os recursos estão disponíveis no Banco do Nordeste, por meio do programa Crediamigo, que oferece empréstimos de até R$ 21 mil, mesmo para negócios informais. A previsão é de que as operações de microcrédito do BNB alcancem R$ 7,7 bilhões em toda a área de atuação do banco.

Segundo o presidente do Banco, José Gomes da Costa, as operações do Crediamigo devem fechar o mês de junho com uma contratação total de R$ 5 bilhões. “Esse é um dos principais programas voltados à base da economia na Região. Os clientes são, em grande parte, profissionais autônomos que sustentam as famílias com pequenos comércios ou prestando serviços, fazendo esse dinheiro circular nas cidades e impulsionar a economia onde mais é preciso”, afirma.

Os empreendedores da Bahia contrataram R$ 720 milhões nos seis primeiros meses de 2022. Os segmentos que mais receberam recursos do programa foram comércio de vestuário e acessórios, seguido por comércio de perfumaria e serviços de beleza (manicure, cabeleireiro e salão de beleza).

(Imagem ilustrativa/Freepik Premium)

Facilidade no crédito

O Crediamigo é o maior programa de microcrédito da América do Sul. Em 24 anos de atuação, superou a marca de 50 milhões de operações. Somente em 2021, foram emprestados R$ 12,7 bilhões. Entre os atrativos para os empreendedores estão o atendimento por meio de aplicativo para contratações e renovações e a orientação dos agentes do programa para auxiliar os negócios.

O presidente José Gomes destaca que essas facilidades são oferecidas para agilizar o apoio ao negócio do empreendedor. “O setor informal não recebe muita atenção pelas operações tradicionais. Então, o Crediamigo retira a burocracia para permitir o início ou manutenção dessas pequenas atividades e ainda oferece orientação para que esse empreendedor cresça”, afirma.

Categorias
Economia

Investimento em energia solar pode revolucionar setor hoteleiro

O Brasil é um país com grande incidência de raios solares durante o ano todo. Essa característica é favorável à captação de energia solar, mas, para isso, são necessários grandes investimentos na implantação de tecnologias, as quais são capazes de reduzir as contas de luz em até 99%, segundo especialistas. Empresas do setor hoteleiro, como hotéis e pousadas, têm como a energia elétrica o seu maior custo de operação, principalmente no período de alta temporada, quando o fluxo de pessoas aumenta, assim como o consumo. A instalação de placas fotovoltaicas pode tornar essas empresas mais competitivas no mercado e aumentar seus lucros.

Os raios solares são uma fonte de energia inesgotável, sustentável e limpa. Como todo o território brasileiro recebe luz solar em abundância, o país possui grande potencial de produção de energia solar. Atualmente, a matriz energética brasileira é majoritariamente composta por hidrelétricas, e estas, por sua vez, são frequentemente afetadas pela seca. A solução imposta pelas companhias de energia é a utilização de termelétricas para compensar os baixos reservatórios de água e a baixa produção de energia, acarretando em um aumento das tarifas.

As empresas do ramo hoteleiro são gravemente afetadas por esse sistema, pois suas operações dependem da energia elétrica, sobretudo nas épocas de maior quantidade de hóspedes para o pleno funcionamento de ares-condicionados e elevadores, por exemplo. A procura por alternativas mais econômicas e ambientalmente responsáveis pode levar à adoção dos painéis solares, que conferem grandes vantagens para os negócios.

As tecnologias que permitem a captação dos raios solares são custosas e requerem um grande planejamento para serem implementadas. Apesar do elevado gasto em capital, especialistas apontam que o retorno sobre o investimento (ROI) pode ser atingido em 5 anos, e em alguns casos, apenas 3. Além disso, alguns bancos e instituições financeiras contam com linhas de crédito destinadas a investimentos de infraestrutura e energia para empresas, que podem auxiliar na instalação das placas fotovoltaicas.

Ao tornar-se sustentável, a empresa se destaca no mercado, podendo captar uma maior quantidade de clientes, pois o perfil atual de consumidores preocupa-se mais com o meio ambiente e opta por serviços de qualidade que contam com esse diferencial. Outro benefício é que, em algumas regiões, o governo local apoia essas iniciativas e gratifica negócios sustentáveis e que utilizam fontes de energia renováveis.

A adoção dessa tecnologia ainda permite abaixar os custos operacionais das empresas de hotelaria, aumentando seu lucro por diárias e tornando possível oferecer descontos e promoções com maior frequência, fidelizando clientes. É possível, também, realizar investimentos para ampliar o estabelecimento, como a contratação de mais funcionários, gerando vagas de emprego para o setor.

Para implementar um sistema de energia solar, é preciso contratar profissionais capacitados ou empresas especializadas nesse tipo de serviço. Através de uma avaliação e estudo do negócio, o especialista pode solucionar dúvidas, explicar com mais detalhes o que é e como funciona a energia solar, elaborar um projeto que atenda a demanda do estabelecimento e, sobretudo, regularize os registros com a distribuidora de energia que opera na região.

Categorias
Economia

Exportações baianas voltam a superar US$ 1 bilhão em maio

Mesmo com uma redução nos embarques de derivados de petróleo, as exportações baianas registraram US$ 1,012 bilhão em maio, com crescimento de 17,6% sobre igual mês do ano passado. Esse movimento é reflexo, principalmente, do efeito preço que foi intensificado pelo aumento das cotações internacionais das commodities.

Já as importações alcançaram recorde para o mês na série histórica, alcançando US$ 1,26 bilhão com aumento de 131,6% sobre maio de 2021. O aumento das compras externas continua sendo puxado pelos combustíveis (+195%), embora os bens intermediários, com destaque para os fertilizantes (aumento de 466% no mês), também contribuíram para o recorde. As informações foram analisadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria de Planejamento (Seplan).

No acumulado de 2022, as exportações somaram US$ 5,18 bilhões, alta de 48,1%, em relação ao mesmo período de 2021. As importações, por sua vez, ficaram em US$ 4,94 bilhões, aumento de 66,3%. Já a corrente comércio, soma de exportações e importações e considerada como um indicador de dinamismo da economia alcançou US$ 10,12 bilhões no período, alta de 56,5%.

Ainda não foi observado efeito direto da guerra na Ucrânia sobre as exportações e importações baianas. Mas as exportações da Bahia para a África, principalmente devido aos embarques de derivados de petróleo, tem crescido o mesmo acontecendo com as importações de fertilizantes da Rússia, que ao contrário do esperado tiveram expansão, o pode tanto num caso como no outro, ser um efeito associado ao conflito.

Os números do mês passado refletem uma forte aceleração dos preços dos produtos comercializados. Eles determinaram o crescimento das vendas no mês, ao subirem em média 37,3% já que houve um recuo de 14,4% na quantidade embarcada.

As importações que cresceram 131,6% em maio teve um salto de 31% nos preços, simultaneamente a uma alta ainda maior nas quantidades desembarcadas (77%).

No recorte por setor, houve crescimento de 48,4% nas exportações da agropecuária e de 66,6% na indústria extrativa. A indústria de transformação, com a redução nas vendas de derivados de petróleo no mês, teve redução em 12,6%.

A União Europeia teve significativo aumento em maio nas compras feitas da Bahia, aumentando sua participação nas exportações de 14,4% do total em maio de 2021 para 33% no mês passado. A liderança permanece com a Ásia com 43% de participação, puxada pelo principal mercado para as exportações baianas, a China com 37,6% do total vendido ao exterior pelo estado em maio.

*Com informações da SEI

Categorias
Economia

Agronegócio representa 24,3% da economia da Bahia

O PIB do agronegócio baiano, calculado e divulgado pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), totalizou R$ 22,7 bilhões no primeiro trimestre de 2022, representando 24,3% do PIB estadual para o período. Essa participação é superior à verificada no mesmo trimestre de 2021 quando era equivalente a 24% do PIB total baiano; ou seja, entre os dois períodos o agronegócio baiano aponta trajetória de aumento de participação na economia.

Apesar da ampliação da participação no total da economia, o PIB do agronegócio registrou recuo de 0,7% no primeiro trimestre de 2022 quando comparado ao primeiro trimestre de 2021. Neste período, o agregado I (produção de insumos) e agregado III (processamento dos produtos agropecuários) aumentaram as participações no PIB da Bahia, passando de 1,65% para 1,77% e 3,57% para 6,59%, respectivamente. João Paulo Caetano, coordenador de Contas Regionais da SEI, explica porque mesmo com taxa de crescimento negativa, o Agronegócio ganhou participação: “Quando analisamos a participação de um segmento no PIB, estamos considerando, além das variações em termos reais, as variações em termos de preços. Nesse sentido, podemos ter, por exemplo, uma queda em termos reais, mas ainda assim a possibilidade de aumento de participação em decorrência de uma oscilação nos preços superior à queda calculada em termos reais. Como os preços agrícolas apresentaram alta, esse efeito se verificou na economia baiana”.

É importante salientar que o primeiro trimestre, apesar da relevância pela ocorrência de algumas importantes safras, não é o principal para o agronegócio haja visto que a maior parte da produção agropecuária baiana se desenvolve no segundo trimestre e isso caracteriza impactos positivos tanto no próprio segmento agropecuário (agregado II) quanto nos demais segmentos, especialmente nos segmentos de transporte e comercialização que compõem o agregado IV. Segundo Caetano, “considerando essa especificidade e com base em alguns indicadores mais atualizados relativos à produção agrícola baiana, a expectativa é que no segundo trimestre se tenha um desempenho mais favorável para o segmento do agronegócio baiano”.

O secretário da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura da Bahia, Leonardo Bandeira, analisou que “determinadas sazonalidades no setor do agronegócio são normais e até esperadas. Mas, o que nos chama atenção nos novos números oferecidos pela SEI é que o setor se consolida como responsável por uma grande fatia das riquezas geradas pela Bahia. O agronegócio vem, já há muito, sendo responsável por cerca de ¼ (um quarto) do PIB do estado, e repetimos a performance nessa parcial. Tudo isso é fruto de uma política acertada, muito trabalho e a dedicação daqueles que empreendem e trabalham no campo”.

Categorias
Economia

Pedidos de empréstimo para estética aumentaram 97% nos últimos 12 meses, aponta FinanZero

Brasil, junho de 2022 – Para melhorar a aparência, até pedir uma graninha extra vale. Isso quem mostra são os dados. Segundo a última edição do Índice FinanZero de Empréstimos (IFE), relatório mensal produzido pela fintech de empréstimos online, os pedidos de empréstimo para estética atingiram o maior pico dos últimos 12 meses, com aumento de 97% nas solicitações durante o período, subindo de 100 para 197 pontos (base abril/2021=100). Em relação a março, houve um aumento de 10,6% nos empréstimos para este fim.  

Só no Brasil, mais de 1,9 milhões de procedimentos estéticos foram realizados em 2020, ano auge da pandemia. Nos últimos meses, mais brasileiros apostaram no empréstimo pessoal para estar entre os clientes das clínicas de beleza.

Fonte: Base de usuários da FinanZero. Base: abril/21=100

“Este aumento pode estar relacionado a vários fatores, a começar pelo valor da maioria dos procedimentos, que podem ser altos e não contam com a cobertura dos planos de saúde. Soma-se a isso o fato de o Brasil ser um país que apresenta um forte consumo cultural relacionado a estética,  prática que perpassa todas as classes sociais e faixas etárias, avalia Olle Widén, CEO e cofundador da FinanZero. 

O Brasil lidera o ranking mundial de cirurgias plásticas no rosto e cabeça, segundo o último relatório da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), concentrando 12,4% das cirurgias do tipo realizadas no planeta, superando os Estados Unidos, a Rússia, o Japão e o México. Quase meio milhão de procedimentos foram realizados no país em 2020.

Dentre as categorias mais populares estão a blefaroplastia (cirurgia de pálpebras), rinoplastia, enxerto de gordura, elevação da sobrancelha e elevação do pescoço. E não são procedimentos acessíveis. A divulgação dos valores das cirurgias plásticas pelas clínicas são proibidas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), mas ao pesquisar em blogs de cirurgia plástica por “blefaroplastia”, por exemplo, a faixa de preço divulgada fica entre 4 mil e 16 mil a depender da região e clínica.

Sem cobertura dos planos de saúde, brasileiros recorrem aos empréstimos

Existem procedimentos estéticos que não estão relacionados apenas à beleza, mas também à saúde do paciente. As cirurgias reparadoras, demandadas por médicos a pacientes que realizaram bariátricas, são um exemplo. Podem ser solicitadas nos casos em que o aumento da flacidez corporal causada pela perda em grande escala da gordura pode causar dermatites, mal cheiro e assaduras. É um caso no qual a cirurgia estética deve ser realizada em prol da a saúde física e mental do paciente, mas não se encontra no rol de serviços de cobertura obrigatória pelos planos de saúde, segundo a Agência Nacional de Saúde (ANS).

No último dia 8 de junho, o Supremo Tribunal Federal, decretou que os planos não têm obrigação de bancar cirurgias que não estão incluídas no rol da ANS. O entendimento anterior considerava a lista exemplificativa, ou seja, outros procedimentos poderiam ser cobertos pelos planos de saúde, desde que tivessem encaminhamento médico com justificativa e sem caráter experimental.

Algumas cirurgias na face dentre as mais populares no Brasil, como o enxerto de gordura para correção e a rinoplastia reparadora são de cobertura obrigatória pelos planos de saúde, mas precisam ter encaminhamento médico para isso. Na prática, muitas delas são procuradas por desejo do paciente de melhorar a aparência, esteja ou não a insatisfação o prejudicando fisicamente.

Resta ao brasileiro recorrer a outras alternativas, como o empréstimo, para alcançar o seu ideal estético. Com a flexibilização das medidas de distanciamento por conta da Covid-19, a previsão é de que as solicitações de empréstimo para beleza aumentem nos próximos meses. 

Categorias
Economia

PIB da Bahia cresce 2,8% no 1º trimestre de 2022

O nível de atividade econômica Produto Interno Bruto (PIB), divulgado nesta quinta-feira (09/06) pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), cresceu 2,8% no primeiro trimestre de 2022 em comparação ao mesmo período do ano anterior. Na comparação com o 4º trimestre de 2021 – com ajuste sazonal – registrou-se crescimento de 1,3%. Os dados do primeiro trimestre evidenciam a recuperação da economia baiana e a manutenção de trajetória de crescimento haja visto o PIB baiano ter crescido 4,1% em 2021.

“Este resultado aponta uma taxa significativamente acima do crescimento do Brasil no primeiro trimestre. Isso tem influência de importantes decisões de política pública tomadas pelo Governo Estadual desde o início da pandemia”, afirma Armando Castro, diretor de Estatísticas da SEI.

PIB em Valor Corrente

No 1º trimestre de 2022, o PIB baiano totalizou R$ 93,3 bilhões, sendo que R$ 81,6 bilhões são referentes ao Valor Adicionado (VA) e R$ 11,7 bilhões aos Impostos sobre produtos líquidos de subsídios. No que diz respeito aos grandes setores, a Agropecuária apresentou Valor Adicionado de R$ 6,9 bilhões, a Indústria, R$ 21,3 bilhões, e os Serviços, R$ 53,5 bilhões.

1º Trimestre 2022/ 1º Trimestre 2021

Quando comparado a igual período do ano anterior, o PIB da Bahia apresentou expansão de 2,8% no primeiro trimestre de 2022, conforme dados calculados pela equipe de Contas Regionais da SEI. O Valor Adicionado apresentou variação positiva de 3,0%, e os Impostos sobre produtos líquidos de subsídios, alta de 1,5%. Os três setores econômicos apresentaram crescimento nos três primeiros meses do ano de 2022, sendo que as principais contribuições vieram da Indústria, com taxa positiva de 4,9%, e dos Serviços, com crescimento de 2,5%.

No que se refere ao setor industrial, a expansão de 4,9% foi determinada pelo desempenho positivo na atividade de Eletricidade e água (+15,6%) – destaque para o crescimento de 47,0% na geração de energia elétrica –, Construção Civil (+3,3%), e Transformação (+3,3%) – com destaque para os segmentos de refino de petróleo e produtos químicos. Já o segmento extrativo foi o único a registrar retração dentro da indústria (-12,3%).

Com relação aos Serviços (+2,5%), observou-se crescimento em todas as atividades que compõem o setor com destaque para os segmentos de Comércio (+1,5%); Administração pública (+1,4%) – atividade com maior peso na economia baiana; Atividades imobiliárias com crescimento (+2,5%) e Transportes (+2,7%) – atrelado principalmente ao bom desempenho dos modais aéreo e aquaviário. Destaca-se ainda o crescimento no grupo Outros Serviços (+ 4,2%).

Mesmo não repetindo as taxas de crescimento de trimestres anteriores, o setor Agropecuário também contribuiu positivamente no primeiro trimestre com crescimento de 1,0%. As previsões de safra destacam o crescimento na produção de grãos, soja e algodão. Por outro lado, espera-se safras menores de Cacau e Mandioca.

*Com informações da SEI

Categorias
Economia

Bahia gerou 15.416 postos de trabalho em abril de 2022

Em abril, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a Bahia gerou 15.416 postos com carteira assinada, decorrente da diferença entre 73.891 admissões e 58.475 desligamentos. Com este saldo, o estado passou a contar com 1.843.144 vínculos celetistas ativos, uma variação de 0,84% sobre o quantitativo do mês anterior. De responsabilidade do Ministério do Trabalho e Previdência, os dados do emprego formal foram sistematizados pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento do Estado da Bahia (Seplan).

No mês, o Brasil computou um saldo de 196.966 vagas, enquanto o Nordeste registrou um ganho 29.813 postos – o que representou variações relativas de 0,48% e 0,45% comparativamente ao estoque do mês anterior, respectivamente. Das 27 unidades federativas do país, apenas duas não apontaram crescimento do emprego celetista em abril deste ano.

Em termos absolutos, com 15.416 novos vínculos formais, a Bahia ocupou a primeira posição na geração de postos entre os estados nordestinos no mês. Dentre os entes federativos, ficou na quarta colocação. Em termos de relativos, com variação percentual de 0,84%, também se situou na primeira posição no Nordeste e na quarta no país.

Na Região Nordeste, a Bahia (+15.416 postos) foi seguida pelos estados do Ceará (+5.304 postos), Maranhão (+3.395 vagas), Paraíba (+2.418 postos), Sergipe (+1.649 vagas), Rio Grande do Norte (+1.588 postos) e Piauí (+1.031 postos). Em contrapartida, dois estados nordestinos suprimiram vagas em abril: Pernambuco (-807 postos) e Alagoas (-181 postos) – por sinal, as únicas unidades federativas do país com eliminação líquida de postos no mês. A capital do estado da Bahia, Salvador, registrou saldo de 3.410 novos postos de trabalho celetista.

Do ponto de vista da variação relativa mensal do estoque, a Bahia (+0,84%), destaque da região, foi acompanhada pelo Maranhão (+0,64%), Sergipe (+0,59%), Paraíba (+0,56%), Ceará (+0,44%), Rio Grande do Norte (+0,36%) e Piauí (+0,34%). Os estados de Pernambuco (-0,06%) e Alagoas (-0,05%) registraram variações negativas e completaram o ordenamento.

No agregado dos quatro primeiros meses de 2022, levando em conta a série ajustada, que incorpora as informações declaradas fora do prazo, a Bahia preencheu 45.492 novas vagas – aumento de 2,53% em relação ao total de vínculos celetistas do início do ano. O crescimento do emprego celetista também foi observado no Brasil e no Nordeste no acumulado de janeiro a abril, com 770.593 e 47.474 novas vagas, respectivamente. Salvador registrou 13.835 novos postos no acumulado do ano de 2022.

Ainda em termos de saldo acumulado no ano, a unidade federativa baiana continuou à frente das demais do Nordeste, com Ceará (+12.733 postos) e Maranhão (+9.082 postos) na segunda e terceira posições. Entre as unidades da Federação, o estado se posicionou na oitava colocação. Em termos proporcionais, a Bahia, com alta de

2,53% no ano, ficou na primeira posição dentro da região nordestina. No país como um todo, o desempenho relativo baiano posicionou o estado na oitava colocação.

Na Bahia, em abril, todos os cinco grandes grupamentos de atividades econômicas registraram saldo positivo de postos de trabalho. O segmento de Serviços (+8.973 vagas) foi o que mais gerou postos de trabalho celetistas dentre os cinco grandes setores. Em seguida, Indústria geral (+3.068 vagas), Construção (+2.644 postos), Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas (+612 vagas) e Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (+119 postos) também foram os responsáveis pela geração.

Ilustração. Foto: Paula Fróes/GOVBA
Categorias
Economia

Bahia Farm Show 2022 atinge marca história de 7,9 bilhões em volume de negócios

Equipe da Bahia Farm Show 2022 (Foto: Divulgação)

A organização da Bahia Farm Show 2022, encerrada neste sábado (4), confirma um novo recorde no volume dos negócios consolidados durante os cinco dias do evento. Em previa realizada, o montante chegou a R$ 7,9 bilhões, ultrapassando a marca de R$ 1,9 bilhão da última edição da Feira, em 2019. Outro recorde batido foi o de público, com 101.555 pessoas que circularam pelo Complexo Bahia Farm Show. Em 2019 o público foi de 65 mil pessoas. O valor expressivo é quatro vezes superior ao alcançado na 15ª edição da maior feira de tecnologia agrícola e negócios do Norte e Nordeste do Brasil.

“Estamos com 96% dos números fechados, mas já podemos afirmar que o valor alcançado até agora está muito além das nossas expectativas. São números expressivos e que refletem uma demanda reprimida, reflexo de dois anos de pandemia, mas, que trazem grande alegria para todos nós, da organização da Feira. Esse resultado também nos deixa a certeza de que o evento foi positivo para os 360 expositores que acreditaram na marca Bahia Farm Show e participaram desta edição memorável. Muito obrigado a todos, só temos a agradecer pela confiança”, avalia o presidente da Feira, Odacil Ranzi.

A 17ª edição da Bahia Farm Show está confirmada para o período de 30 de maio a 03 de junho de 2023. O evento é uma realização da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), com o apoio da Associação Baiana do Produtores de Algodão (Abapa), Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento do Oeste Baiano (Fundação Bahia) e Associação dos Revendedores e Representantes de Máquinas, Equipamentos e Implementos Agrícolas do Oeste da Bahia (Assomiba).

Vista aérea da Bahia Farm Show (Foto: Divulgação)
Categorias
Economia

Bahia Farm Show demonstra diversificação em espaço dedicado à agricultura familiar

Cada vez mais diversificada e buscando representar todas as escalas de produção agrícola, do grande ao pequeno, a 16ª edição da Bahia Farm Show ampliou em mais de 200% o espaço para abrigar produtores e associações que tiram do campo o sustento e fortalecem as economias locais. Durante a feira agrícola, que está aberta para a exposição do público até o próximo sábado (4), o pavilhão da agricultura familiar abrange 34 estandes com produtores de diversas localidades da Bahia e do Brasil que estão trazendo artesanato de pano, indígena e quilombola; produção de mel e cachaça; produtos derivados de carnes especiais, do leite, milho, mandioca, cacau e frutos do cerrado; variedades de doces e biscoitos.

É o caso da Cooperativa de Serviços Sustentáveis da Bahia (Coopessba), que veio de Ilhéus no sul da Bahia, para expor pela primeira vez na feira agrícola chocolates da marca Natucoa Chocolate Sul Bahia, criada em 2019. A matéria prima utilizada na produção dos chocolates finos é produzida por pequenos e médios produtores da agricultura familiar. “Nosso cacau é produzido com responsabilidade ambiental e social, para termos um produto de qualidade e com diferencial no resultado final. Temos chocolates com variedade na porcentagem de cacau, geleias com cacau, entre outros”, destaca o representante comercial da marca, Marcelo Bastos.

Pavilhão agricultura familiar Bahia Farm Show 2022 (Foto: Divulgação)

Quem também está no pavilhão voltado para a Agricultura Familiar é a Fino Sertão – Carnes Especiais. Vinda de Feira de Santana, a empresa apresenta pela primeira vez produtos de carré shot, costela de tira, filé lombo, pernil desossado à buchada e sarapatel. “Nossas peças são da cooperativa FrigBahia, cortes nobres de cordeiros e cabritos jovens, abatidos até seis meses, seguindo todas as normas sanitárias necessárias. Estamos muito satisfeitos para apresentar o nosso produto para o público da Bahia Farm Show”, disse o representante comercial Lenildo Rios.

Ainda na tentativa de atrair o paladar dos visitantes, a empresa “Cacau Cerrado” está pela primeira vez na feira para apresentar ao público em geral que é possível produzir cacau no Oeste da Bahia. Ao conhecer o espaço, Darcy Itiberé enfatizou sobre a qualidade dos produtos de cacau e diz ter gostado da ideia da exposição da agricultura familiar. “Precisamos mostrar mais o que fazemos de bom para o mundo”, reforça. Ao visitar a Bahia Farm pela primeira vez, Sandro dos Santos, gostou de ver também a exposição da agricultura familiar. “Os estandes são bem organizados, e com muito produto diferente como o artesanato”, afirma ele, que veio de Irecê para prestigiar a feira agrícola.

Pavilhão agricultura familiar Bahia Farm Show 2022 (Foto: Divulgação)
Categorias
Economia

Bahia Farm Show: Governo do Estado anuncia mais de R$ 120 milhões em investimentos para Luís Eduardo Magalhães

Um dia de fatos e números expressivos no Oeste baiano. Nesta quarta-feira (1°), foi realizada a abertura oficial da Bahia Farm Show, maior evento de negócios e tecnologia agrícolas do Norte/Nordeste. Com presença marcante no evento, o Governo do Estado aproveitou a oportunidade para anunciar cerca de R$ 123 milhões de investimentos em obras de abastecimento de água, esgotamento sanitário, infraestrutura viária, educação e saúde para Luís Eduardo Magalhães, cidade que é sede da feira.

Antes de oficializar os anúncios, já no complexo da Bahia Farm, o governador Rui Costa (PT) falou da importância do evento. “Aqui estão pessoas que acreditam na ciência, na tecnologia e no trabalho. Temos gente com vontade de trabalhar, utilizando a ciência e a tecnologia para transformar e melhorar vidas. São pessoas que têm uma história de superação e que muitas vezes enfrentaram dificuldades para hoje estarem aqui nesse evento extraordinário, que é referência e chama a atenção do mundo inteiro, abrindo as portas da Bahia para quem quer produzir e investir”, disse o governador sobre a feira que, em 2022, aumentou sua área em 33% e espera ampliar para mais de R$ 2 bilhões o volume de negócios desta edição.

Governador Rui Costa (PT) anuncia investimentos para Luís Eduardo Magalhães na Bahia Farm Show 2022 (Foto: Mateus Pereira/GOVBA)

Como primeiro anúncio, o sistema de abastecimento de água que atende os mais de 90 mil moradores do município passará por melhorias e ampliação nas quais serão aplicados quase R$ 25 milhões. Também será ampliado o sistema de esgotamento sanitário da cidade, que receberá R$ 17 milhões em investimentos para aumentar a rede coletora de esgoto e a capacidade das estações de tratamento.

Do saneamento para a infraestrutura viária, o governador autorizou o processo de licitação para a pavimentação asfáltica de 39 quilômetros da BA-461, no trecho entre o entroncamento com a BA-460 e a localidade de Bunge. Mais uma intervenção que será coordenada pela Secretaria de Infraestrutura do Estado (Seinfra), com investimento previsto em R$ 34,2 milhões, para melhorar as condições de mobilidade e escoamento da produção agrícola da região.

Educação

Foram mais de R$ 45 milhões em obras anunciadas somente para a Educação. Duas novas escolas serão erguidas em Luís Eduardo Magalhães. O Colégio Estadual Mimoso do Oeste terá, em breve, uma nova sede, completamente nova, com 24 salas de aula, laboratórios, biblioteca, auditório, quadra poliesportiva, arena de lutas, campo society e pista de atletismo. Outra escola, esta municipal, será construída por meio de convênio entre a prefeitura e a Secretaria da Educação do Estado (SEC).

Outras duas escolas estaduais passarão por obras de ampliação e modernização. São os colégios estaduais Constantino Catarino de Souza e Maria Otília Lutz, que receberão novas salas de aula e estruturas para práticas esportivas e culturais. As obras nas unidades estaduais serão coordenadas pela Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado (Conder).

Saúde

Será cedido cerca de R$ 1,6 milhão em equipamentos para o Hospital Geral de Luís Eduardo Magalhães. Aparelhos de raio-x e tomógrafo computadorizado estão entre os aparelhos.

Integração Bahia/Tocantins

A Bahia Farm Show também foi palco para um momento histórico entre os estados vizinhos Bahia e Tocantins. O governador Rui Costa e o chefe do executivo de Tocantins, Wanderlei Barbosa, assinaram o Termo de Acordo definidor de divisa territorial entre os dois estados. O documento formaliza o acordo de traçado da fronteira entre as duas unidades da Federação e consolida um acordo anterior firmado no Supremo Tribunal Federal (STF) em 2013. O presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Eduardo Luís Gonçalves, também participou da assinatura.

“É muito importante para dar estabilidade jurídica a todos os proprietários de terras, pequenos, médios e grandes. Essa instabilidade interferia na produção, na concessão de crédito e deixava sempre dúvida. Mas, com diálogo e entendimento, hoje assinamos esse acordo, feito em conjunto pelas equipes dos dois estados”, afirmou o governador Rui Costa.

Presença na Bahia Farm

A Bahia Farm Show é realizada pela Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) e recebe estandes das secretarias estaduais da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri) e de Desenvolvimento Rural (SDR), com foco na agricultura familiar. A Agência de Fomento do Estado da Bahia (Desenbahia) também está presente no evento com equipe especializada para o suporte necessário aos interessados nas linhas de crédito disponíveis.

Fazem parte ainda as secretarias estaduais do Planejamento (Seplan), Turismo (Setur), Infraestrutura (Seinfra), Desenvolvimento Econômico (SDE), Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Infraestrutura Hídrica e Saneamento (Sihs) e Meio Ambiente (Sema). Além disso, o público pode conhecer ações e serviços desenvolvidos pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) e Bahia Pesca, órgãos vinculados à Seagri.

Categorias
Economia

Bahia Farm Show apresenta tecnologias em novo pavilhão coberto

Uma cidade levantada em meio ao cerrado baiano para demonstrar as principais tecnologias oferecidas pelo setor agrícola. Esta é a Bahia Farm Show, uma das maiores feiras de tecnologia agrícola, que teve início nesta terça-feira (1º), em Luís Eduardo Magalhães, e está recebendo mais de 360 empresas que vão expor máquinas, equipamentos, implementos e tecnologias para proporcionar as melhores soluções para os produtores no campo. Ao lado dos estandes das grandes colheitadeiras, pulverizadores e colheitadeiras, nesta 16ª edição da feira, a principal novidade foi a criação de um novo pavilhão coberto com foco em tecnologias de menor porte, mas que podem trazer resultados que fazem a diferença na produtividade e na vida do agricultor.

(Foto: Divulgação)

As tecnologias vão desde oferta de energia solar por bombeamento, até medidores de temperatura e umidade do solo via bluetooth. Este aparelho, por exemplo, serve para melhor tomada de decisão quanto à irrigação, controle de pragas, sementes e plantio. “A vantagem é que o equipamento é pequeno, prático, substitui a estação meteorológica, com preço acessível para o produtor”, explica o engenheiro, Weslei Reis, da empresa Sigma Sensors.  Já o empresário Ricardo Duck participa da Bahia Farm pela terceira vez e para esta edição está expondo tinta térmica, um produto que tem pouco tempo de circulação no mercado brasileiro. “É uma tinta que age com a refletância solar que em contato com o sol reflete raios solares diminuindo até 35% a temperatura interna, oferecendo conforto maior dentro do ambiente”, conta o proprietário da Duck Tintas.

Dentro do novo pavilhão, acontece uma mostra das tecnologias organizada por empresas e instituições como a Universidade Federal de Luís Eduardo Magalhães (UFOB), que participa este ano expondo soluções tecnológicas para o agronegócio, como controle de qualidade de semente de solo, de plantas, de microrganismos, sequenciamento de DNA genético, controle de qualidade relacionada à doença de plantas, pragas, e insetos na lavoura. “A ideia de estarmos na Bahia Farm Show é trazer a universidade para próximo da sociedade e fazer essas parcerias acontecerem” reforça o vice–diretor da UFOB em Luís Eduardo Magalhães, Taídes Tavares.

Dentro da Bahia Farm, as tecnologias agrícolas estão sendo apresentadas em uma área de 191 mil metros quadrados, em um total de 61 ilhas de exposição, incluindo três pavilhões cobertos. Para melhor atender os visitantes, o complexo oferece dois restaurantes, duas áreas de alimentação e uma nova área de food truck, além do parque de diversão para as crianças.  Para entrar no complexo Bahia Farm Show e conferir as tecnologias expostas na feira, os ingressos no valor de R$ 20,00 podem ser comprados de forma antecipada no site: www.bahiafarmshow.com.br, ou presencialmente diretamente na bilheteria do evento.

Categorias
Economia

Visitantes da Bahia Farm Show 2022 poderão conhecer de perto tecnologias da irrigação

Produtores da chamada região Matopiba, anagrama composto pelas siglas dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, devem compor a maioria dos cerca de 70 mil visitantes esperados para a Bahia Farm Show 2022, que começa neste próximo 31 de maio e segue até 4 de junho, no município baiano de Luís Eduardo Magalhães. A região, considerada uma das mais promissoras fronteiras agrícolas do Brasil, tem nas tecnologias de irrigação o principal vetor de seu forte desenvolvimento agrícola nos últimos anos. Para se ter uma ideia, segundo dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), entre 1985 e 2015, no Matopiba o número de pivôs centrais instalados saltou de 13 para 1.548.

Ainda conforme dados da Embrapa, os municípios com maior densidade e área relativa ocupada por pivôs centrais têm sido Barreiras/BA, Luís Eduardo Magalhães/BA, São Félix do Coribe/BA e São Desidério/BA. Nos Estados do Tocantins, Piauí e Maranhão, os municípios com maior área relativa ocupada por pivôs são, respectivamente, Pedro Afonso/TO, Guadalupe/PI e Riachão/MA. 

É de olho nesse enorme potencial que a Pivot Máquinas Agrícolas e Sistemas de Irrigação está entre as mais de 360 empresas expositoras da Bahia Farm Show. “Essa é a segunda edição em que participamos. A primeira foi em 2019, ano em que  justamente chegamos à Bahia, com nossa loja em Luís Eduardo Magalhães. Nossa expectativa para o evento é a melhor possível. Até porque no ano passado foi o nosso recorde de vendas e para 2022 esperamos, no mínimo, igualar aos números que tivemos no ano passado, que foi realmente espetacular”, afirma João Morais, gerente comercial da Pivot na região do oeste baiano. 

A Bahia Farm Show é uma das feiras agrícolas do país mais disputadas por players do agronegócio, não só por estar numa das regiões mais produtivas do Brasil, mas por receber um público bastante amplo, conforme explica Morais. “Além de receber produtores do oeste da Bahia, também atende ao público da região do Matopiba, especialmente produtores do Tocantins. Há também muitos produtores vindos da região central da Bahia, do outro lado do Rio São Francisco. Também, até por ser estados que fazem divisa com a Bahia, a feira recebe uma grande quantidade de visitantes vindos de cidades de Minas e Goiás, especialmente do norte noroeste mineiro, e do leste goiano”, esclarece o gerente comercial da Pivot.

Bahia Farm Show será realizada do dia 31 de maio ao dia 4 de junho, na cidade de Luís Eduardo Magalhães (Foto: Divulgação)

Inovação

Para a Bahia Farm Show, considerada a maior feira agrícola do Norte Nordeste Brasileiro, a Pivot promete levar uma inovação, conforme explica João Morais. “Iremos montar na feira um equipamento completo de pivô central, igual fizemos recentemente na AgroBrasília. Vamos irrigar esse sistema que montaremos lá. Será uma ação inédita na Farm Show. O equipamento que usaremos para essa demonstração é um dos mais modernos que temos. Trata-se de um equipamento Lindsay modelo 9.500, o mais robusto que temos”, detalha o gerente da Pivot.

Segundo João Morais, a ideia é mostrar aos visitantes na prática as soluções tecnológicas agregadas aos sistemas de irrigação da Lindsay, fabricante representada pela Pivot na Oeste da Bahia. “Esse equipamento que iremos montar conta com o FieldNET, que é um moderno sistema de monitoramento e controle das atividades de irrigação. Com essa tecnologia, você consegue ter o controle de tudo na palma das mãos, gerenciando toda a área irrigada de forma remota, através do celular. Além disso, o FieldNET Advisor oferece recomendações diárias para ajudar a atender às necessidades atuais da propriedade”, explica João Morais.

Potencial

A região do Matopiba abriga 14 dos 100 municípios mais ricos do agronegócio brasileiro, conforme levantamento do Ministério da Agricultura e do IBGE, com destaque para as cidades de São Desidério (BA), a segunda mais rica; e Formosa do Rio Preto (BA), em quinto lugar. Oficializado em 2015, a região reúne 337 municípios, 31 microrregiões e representa um total de cerca de 73,1 milhões de hectares (51% da área dos quatro estados). 

Segundo estimativas da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), no Matopiba, a área plantada total de grãos e fibras, puxada por soja, milho e algodão, chegará a 8,4 milhões de hectares neste ciclo de 2021/2022, 2,60% mais do que o anterior. A produção deverá avançar 3,80% na comparação, chegando a 28.2 milhões de toneladas.

A cultura que se destaca, entre as principais regiões produtoras do Matopiba, é a soja. O lugar já é responsável por quase 12% da produção nacional do grão, conforme dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Mas outras culturas como arroz, milho e algodão também têm papel importante. 

Atualmente, o Matopiba responde por aproximadamente 10% da produção brasileira de grãos e fibras, principalmente soja, milho e algodão. O estudo “Brasil – projeções do agronegócio – 2019/2020 a 2029/2030”, elaborado pelo Ministério da Agricultura, aponta que, em dez anos, essa fronteira agrícola produzirá cerca de 32,7 milhões de toneladas de grãos em 2029/30, numa área plantada de 8,9 milhões de hectares. Entre os fatores que têm atraído investidores para a região, estão os preços ainda relativamente mais baixos de terras, em relação a áreas no Centro-Sul do País, assim como a topografia plana, a boa luminosidade e a chegada de tecnologias que viabilizaram o plantio de grãos.

*Colaborou Anderson Costa

Categorias
Economia

Bahia Farm Show 2022 começa nesta terça-feira (31) com infraestrutura ampliada e expectativa de superar R$ 2 bi em negócios

Após dois anos de hiato em função da pandemia da Covid-19, a Bahia Farm Show volta a ser realizada com a expectativa de superar, pela primeira vez, a barreira dos R$ 2 bilhões na prospecção e fechamento de negócios. Maior vitrine do agronegócio do Norte e Nordeste do Brasil, a feira agrícola chega com a infraestrutura pronta e ampliada para receber o público visitante nesta terça-feira (31), a partir das 9h, em Luís Eduardo Magalhães. Durante cinco dias, 360 empresas expositoras, representando mais de 1200 marcas, estarão distribuídas em 191 mil metros quadrados, para apresentar o que há de mais moderno em máquinas, equipamentos, implementos e tecnologias que vão proporcionar mais produtividade e rentabilidade para os agricultores no campo.

Na terça-feira (31), a partir das 14h30, está prevista a visita às instalações da feira, pelo presidente da república, Jair Messias Bolsonaro (PL), e pela manhã, às 10h, a abertura da programação de palestras com o tradicional Fórum de Inovação e Tecnologia. O evento, que será televisionado pelo Canal Rural, e realizado este ano na Praça do Coreto (em frente ao estande da Aiba), vai debater a “A inovação do agro na era digital” com profissionais e especialistas que são referências do setor do agronegócio, como o ex-ministro da agricultura e um dos fundadores da Embrapa, Alysson Paulinelli. 

Na quarta-feira (1º), a partir das 10h, será realizada a abertura oficial, pelo presidente da Bahia Farm Show e da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Odacil Ranzi, que juntamente com representantes do agronegócio local, vão receber os governadores da Bahia, Rui Costa (PT), e do Tocantins, Wanderlei Barbosa (sem partido), que deverão assinar um Termo Declaratório de Divisa Territorial que reafirma a demarcação da divisa entre os dois estados.

Diante da conjuntura favorável, Odacil Ranzi acredita que a perspectiva é de mais uma edição de sucesso da Bahia Farm Show. “Passamos por um período de isolamento. Aproveitamos este momento difícil para mostrar a força do agronegócio, que não parou. Os resultados positivos na comercialização das feiras que antecederam a Bahia Farm e o otimismo dos agricultores com os números da colheita da safra 2021/22 trazem a esperança de bons negócios. Estaremos reunindo, mais uma vez, todos os elos do setor do agronegócio e aproximando as soluções em tecnologia para a aplicação do produtor no campo, com a facilidade de pagamento por parte das instituições financeiras”. Estarão presentes, prontas para negociar crédito com os melhores juros e condições facilitadas de parcelamento: Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Banco Original, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Cooperfarms, Desenbahia, Santander, Sicredi e Sicoob.

Quem visitar a Bahia Farm, para conferir as novidades em tecnologia para o setor agrícola, vai ver uma feira ainda maior e mais bonita, ampliada em 33% da área, saindo de 144 mil m² para 191 mil m², levando mais para as empresas expositoras, com 14 novas ilhas – totalizando 61 – e um novo pavilhão coberto. O complexo abrigará dois restaurantes, duas áreas de alimentação e uma nova área de food truck, além do parque de diversão. O passeio pelas ruas 100% asfaltadas, parte delas cobertas, ficará ainda mais agradável por causa do paisagismo e do bosque de plantas nativas, além da exposição fotográfica a céu aberto que retrata as belezas da produção agrícola e da natureza do cerrado. As novidades desta edição ficam por conta da Praça do Museu, onde será possível fazer uma viagem no tempo e conferir máquinas e veículos antigos que já foram utilizados no campo, e ampliação do espaço da agricultura familiar, com 34 estandes de artesanato e gastronomia com frutos e alimentos do cerrado.

Serviço – A Bahia Farm Show será realizada entre os dias 31 de maio a 4 de junho, das 9h às 19h. O evento contará com exposição de tecnologia do setor agrícola, lançamento de produtos e serviços, extensa programação de palestras e debates, leilões de gado de corte e de leite, dentre outros. Os ingressos para ter acesso ao evento custam R$ 20,00, e a partir deste ano, podem ser adquiridos de forma antecipada, sem precisar pegar fila, pela internet no site, ou, presencialmente, no formato tradicional. Parte da renda dos ingressos será revertida para o Hospital do Oeste, dentro do projeto “Ingresso Solidário”.

Bahia Farm Show (Foto: Paula Froes/GOVBA)

Serviço

Informações, programação completa e ingressos no site: www.bahiafarmshow.com.br

Categorias
Economia

Empréstimo pessoal: 46% dos brasileiros entrevistados têm intenção de pedir crédito nos próximos 3 meses

No último ano, a inflação e alta dos preços têm afetado drasticamente a rotina de consumo dos brasileiros. E uma das alternativas que parte da população busca para tentar driblar esse cenário e fazer com que o orçamento mensal cumpra as necessidades básicas do dia a dia, é recorrer aos empréstimos pessoais. De acordo com a última edição do Índice FinanZero de Empréstimo (IFE), que entrevistou 500 pessoas com acesso a internet em todo o Brasil, no período de 29 de abril a 03 de maio deste ano, 46% dos entrevistados disseram que têm a intenção de solicitar empréstimo para os próximos 90 dias, porcentagem que atingiu o maior patamar dos últimos 11 meses. 

(Crédito: FinanZero)

Desde o início de junho de 2021, essa é a maior intenção de pedidos de empréstimos. Além disso, quando comparado somente com o mês passado, a intenção de tomar empréstimo também cresceu e somou 47%. Para Cadu Guidi, sócio-diretor de marketing da FinanZero, o cenário de despesas pode ser um dos motivos do aumento dessa procura. “Muitos brasileiros ainda estão se realocando no mercado. A própria economia tem tentado se reestruturar. Com o aumento nos preços de itens básicos e outros, como o combustível e endividamento, muitas pessoas fazem empréstimos pessoais para cobrir esses gastos e quitar outros que foram se acumulando durante os dois últimos anos de pandemia”, analisa.

Alto endividamento e perda do poder de compra estão entre os motivos no aumento de pedidos de empréstimo

Não são somente os valores dos produtos que estão subindo, a alta dos juros e a inflação também estampam essa realidade. Segundo uma pesquisa realizada em março, pela Confederação Nacional do Comércio, 77,5% das famílias possuem algum tipo de dívida, seja por conta de cartão de crédito, cheques, financiamentos ou carnês. 

O impacto da inflação nas famílias brasileiras faz com que muitos peçam empréstimos para equilibrar o orçamento. De acordo com a Associação Nacional de Executivos de Finanças (Anefac), a taxa média de juros subiu para 114,59% ao ano em março de 2022. Em janeiro de 2021, essa mesma taxa era de 92,59%.

Outro fator que explica esse aumento na procura por empréstimos é a perda do poder de compra. Se em alguns anos atrás o brasileiro conseguiu comprar um quilo de alimento por determinado valor, hoje não é mais possível. Sendo necessário desembolsar mais do que o triplo para adquirir determinado item. Além disso, o aumento do valor e desvalorização do real são fatores que impactam diretamente no aumento do preço investido em transporte, saúde, habitação, educação e muitos outros itens importantes para a manutenção do bem-estar.

Ainda segundo o índice, 34,5% dos entrevistados revelaram que a quitação de dívidas é a principal razão para os pedidos de empréstimo. Assim, com cada vez mais pessoas interessadas em solicitar crédito, maior é a procura por formas de evitar gastos e ter um melhor planejamento do que se fazer com o crédito adquirido. Independente da finalidade dos empréstimos, eles têm se tornado ainda mais um complemento de renda nas finanças dos brasileiros.

Categorias
Economia

Festas e eventos: crescem em 162% pedidos de empréstimo para festividades, aponta levantamento

No último ano, os brasileiros têm tentado se estabelecer durante os altos e baixos promovidos pela crise sanitária e econômica. Com o avanço da imunização e a movimentação para flexibilizar algumas restrições da covid-19, que começou a acontecer em outubro do ano passado, festas, viagens, eventos e atividades de lazer estão voltando a fazer parte da rotina dos brasileiros em 2022. 

Em março, o reflexo dessa decisão pôde ser mais uma vez observado. Com o expressivo aumento de festas privadas e eventos durante o primeiro trimestre, os pedidos de empréstimos cresceram mais de 162%, em relação ao mesmo período do ano passado, época em que o país passava pela segunda onda da pandemia. Segundo o Índice FinanZero de Empréstimos (IFE), que analisou a base de usuários com cerca de 10,317 milhões de cadastros, aponta que o motivo para solicitação de crédito que mais ganhou destaque refere-se a festas e a razão acumulou alta consecutiva nos três últimos meses.

(Crédito: FinanZero)

Retomada de grandes festas contribui para pedidos de empréstimos

Com as comemorações de começo de ano, a retomada dos festivais de música e do carnaval, a expectativa, em fevereiro deste ano, era de que 590 mil eventos sejam realizados até o final de 2022, em todo país, de acordo com a Associação Brasileira de Promotores de Eventos (Abrape).

Além desses fatores, de acordo com uma pesquisa realizada pela Abrafesta (Associação Brasileira de Eventos), 40% dos casamentos marcados durante a pandemia foram adiados, assim como 45% dos aniversários, 17% das festas de debutantes e 20% dos eventos corporativos. Dessa forma, grande parte desses eventos estão acontecendo ao longo deste ano, o que influi nos pedidos de empréstimos para que essas comemorações possam acontecer, visto que a economia do brasileiro também sofreu danos significativos.

Sair da versão mobile