Ilustração. Foto: Pixabay
in

IX.br completa 15 anos de operação, consolidado entre os maiores Pontos de Troca de Tráfego Internet do mundo

Presente em mais de 30 localidades, nas cinco regiões do Brasil, o IX.br coleciona marcos importantes para a Internet no país

IX.br (Brasil Internet Exchange) que compõe e promove a infraestrutura necessária para a interligação direta entre as redes autônomas que participam da Internet no Brasil, é uma iniciativa do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) e do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) e completa 15 anos de operação neste mês. O IX.br está presente em mais de 30 localidades nas cinco regiões do Brasil, e figura entre os maiores Pontos de Troca de Tráfego Internet do mundo. O PTT de São Paulo, por exemplo, é mundialmente o maior em número de redes interligadas e o terceiro considerando o tráfego de dados

Os Pontos de Troca de Tráfego, ou Internet Exchanges, são pontos neutros onde diversas organizações estão interligadas para trocar pacotes de dados Internet entre si. Os PTTs são formados por datacenters com equipamentos que permitem a interligação simultânea de centenas de organizações – empresas de streamingde vídeo, sítios de buscas, redes sociais, bancos, universidades, órgãos de governo, entre outras. Essa união de redes permite que a Internet fique mais veloz, eficiente, resistente a falhas e com custo mais baixo. 

“O NIC.br cria e opera PTTs com o objetivo de tornar a Internet melhor para todos os brasileiros”, destaca Demi Getschko, diretor presidente do NIC.br, que reforça a importância da colaboração de universidades, redes acadêmicas, empresas e órgãos públicos, datacenters privados, provedores de Internet e empresas de telecomunicações. “A iniciativa é um sucesso também por conta do envolvimento de diversas organizações que cedem parte de suas infraestruturas e nos ajudam de diversas formas a tornar o IX.br uma realidade”, complementa. 

História e evolução

A operação do IX.br foi iniciada em julho de 2004, após aprovação do CGI.br do projeto PTT Metro. A iniciativa atendeu inicialmente a região metropolitana de São Paulo e incluiu o primeiro Ponto de Troca de Tráfego do Brasil, operado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) desde 1998, além de outros que surgiram por iniciativa de entidades acadêmicas e privadas. O modelo adotado pelo IX.br (PTT Metro) permitia que, ao conectar-se, todos os seus participantes trocassem tráfego entre si, o que atraiu a adesão cada vez maior de provedores de conteúdo e de acesso. 

“Houve uma retroalimentação positiva. Mais provedores de acesso passaram a participar do IX.br para trocar tráfego com aqueles que forneciam conteúdo e vice e versa”, lembra Milton Kaoru Kashiwakura, Diretor de Projetos Especiais e de Desenvolvimento do NIC.br. O número de participantes únicos após os cinco primeiros anos era de 96, e passou para 788 nos dez anos de iniciativa, chegando hoje a 2.394. 

Com a popularização de serviços de vídeo on-line e streaming, houve uma mudança no perfil de tráfego Internet no Brasil. “Até o ano 2011, os picos de tráfego registrados pelo IX.br aconteciam durante a semana, em horário comercial. Com a adesão cada vez maior de serviços de streaming de vídeo, utilizados nas casas dos usuários finais, os picos passaram a acontecer após às 22h e também nos finais de semana, e se mantêm assim até hoje. Houve uma mudança de comportamento também das operadoras, ao dar mais atenção aos usuários residenciais”, comenta Kashiwakura, que recorda ainda do provisionamento bem-sucedido feito por empresas de acesso à Internet e de conteúdo para a transmissão via Internet de eventos de grande porte, como a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos. 

Outro marco importante na história da iniciativa foi a inauguração, em 2015, de um datacenter do NIC.br em São Paulo, que ampliou a infraestrutura de conexão do IX.br. Construído com recursos próprios da entidade, o novo datacenter conta com cinco vezes mais espaço do que a estrutura antiga, e apresenta disponibilidade de energia elétrica nove vezes maior. Seu projeto foi voltado à eficiência energética e à redundância, para suportar eventuais falhas em alimentação elétrica, fibras ópticas e equipamentos, e permitir manutenção independente, com possibilidade de até 48h de autonomia.

O que o marco dos 15 anos do IX.br representa?

Hoje o IX.br registra mais de 7 Tb/s de pico de tráfego Internet, sendo o PTT de São Paulo responsável por cerca de 5 Tb/s. Ao longo dos anos, a expansão da iniciativa trouxe impacto para o mercado de provimento de trânsito Internet. Dados da empresa de consultoria e pesquisa de mercado Telegeography, apresentados durante o IX Fórum 12 – Encontro dos Sistemas Autônomos da Internet no Brasil, apontam que o custo para adquirir banda de 10 Gb/s da rota Miami a São Paulo caiu mais de 80% entre 2015 e 2018, passando de US$ 48 mil para US$ 8 mil. “O IX.br permite que o tráfego seja resolvido localmente e tem proporcionado diversas melhorias para o ecossistema da Internet no Brasil”, ressalta Kashiwakura. A presença do IX.br em mais de 30 localidades no País também contribui para diminuir custos dos provedores regionais, que antes dependiam de infraestrutura de provimento de trânsito para se interligar. 

Os PTTs, assim, tornaram viável o surgimento e o crescimento de provedores regionais, contribuindo para um ambiente mais competitivo. “Nos últimos 15 anos, o IX.br tem proporcionado uma aproximação entre os provedores, que se relacionam e negociam serviços. Muitas empresas surgiram nesse mercado, enquanto outras se uniram para trabalhar conjuntamente, contribuindo para que a infraestrutura da Internet melhorasse no país e para que mais brasileiros tenham acesso à rede”, avalia o diretor. Encontros promovidos pelo NIC.br, como o IX Fórum Regional e o IX Fórum (que este ano realizará sua 13ª edição) incentivam o diálogo entre diversos atores do ecossistema de infraestrutura da Internet de diferentes localidades no Brasil. 

O NIC.br segue trabalhando para manter o IX.br sem gargalos, com capacidade suficiente para que o tráfego flua sem congestionamento, e também para facilitar e tornar mais segura a cooperação entre os participantes. Iniciativas como o Programa Por uma Internet mais Segura apontam nessa direção. Outro projeto da entidade que busca melhorar a velocidade, custo e a qualidade do acesso à Internet é o OpenCDN, que cria condições para diminuir a distância entre os conteúdos disponíveis on-line e os usuários locais de Internet. Com início da operação em 2018 na Região Metropolitana de Salvador, o OpenCDN tem beneficiado direta e indiretamente milhares de usuários e será implementado em breve em outras localidades. 

Sobre o Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR – NIC.br
O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR — NIC.br (http://www.nic.br/) é uma entidade civil, de direito privado e sem fins de lucro, que além de implementar as decisões e projetos do Comitê Gestor da Internet no Brasil, tem entre suas atribuições: coordenar o registro de nomes de domínio — Registro.br (http://www.registro.br/), estudar, responder e tratar incidentes de segurança no Brasil — CERT.br (http://www.cert.br/), estudar e pesquisar tecnologias de redes e operações — Ceptro.br (http://www.ceptro.br/), produzir indicadores sobre as tecnologias da informação e da comunicação — Cetic.br (http://www.cetic.br/), implementar e operar os Pontos de Troca de Tráfego — IX.br (http://ix.br/), viabilizar a participação da comunidade brasileira no desenvolvimento global da Web e subsidiar a formulação de políticas públicas — Ceweb.br (http://www.ceweb.br), e abrigar o escritório do W3C no Brasil (http://www.w3c.br/).Sobre o Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR – NIC.br

Sobre o Comitê Gestor da Internet no Brasil – CGI.br
O Comitê Gestor da Internet no Brasil, responsável por estabelecer diretrizes estratégicas relacionadas ao uso e desenvolvimento da Internet no Brasil, coordena e integra todas as iniciativas de serviços Internet no País, promovendo a qualidade técnica, a inovação e a disseminação dos serviços ofertados. Com base nos princípios de multilateralidade, transparência e democracia, o CGI.br representa um modelo de governança multissetorial da Internet com efetiva participação de todos os setores da sociedade nas suas decisões. Uma de suas formulações são os 10 Princípios para a Governança e Uso da Internet (http://www.cgi.br/principios). Mais informações em http://www.cgi.br/.


Loading...
Ilustração. Foto: Pixabay

Pets em apartamento: 5 dicas para manter a casa sempre limpa e organizada

Ilustração. Foto: Pixabay

Sinais de riqueza nas redes sociais podem influenciar o valor da pensão alimentícia