O mundo moderno oferece tantas facilidades que é comum esquecer como muitas tarefas eram feitas antes do auxílio da tecnologia. A máquina de lavar, por exemplo, é um item essencial na rotina e está presente em boa parte dos lares brasileiros.

Hoje em dia, lavar as roupas é relativamente simples. Afinal, a maioria das peças pode ser colocada na máquina, que fica responsável pelo trabalho duro. Apenas alguns itens muito delicados precisam ser lavados à mão, o que não ocupa muito tempo. No entanto, nem sempre foi assim: durante muitos séculos, as mulheres precisaram lavar as roupas à mão e a profissão de lavadeira era popular. A seguir, saiba mais sobre como funcionavam os cuidados com as roupas antigamente.

(Imagem ilustrativa/Freepik)
(Imagem ilustrativa/Freepik)

Lavadeiras

As vestimentas fazem parte da cultura humana há milênios. Portanto, o hábito de lavá-las também está presente na rotina há um tempo considerável. Afinal, as peças ficam sujas com o passar do tempo e precisam ser higienizadas. Lavar as roupas nas margens dos rios, em poços, tanques ou lavadouros era comum. As mulheres carregavam as trouxas de roupas sujas e as esfregavam até sair toda a sujeira. Depois, voltavam para casa.

As mulheres poderiam lavar suas próprias roupas ou trabalhar como lavadeiras para outras famílias. O processo de lavagem era o mesmo, sendo necessário carregar as trouxas, lavar as peças e deixá-las secando ao sol. Essa profissão foi muito importante porque permitiu que diversas mulheres sustentassem suas famílias. Portanto, conquistar clientes fixos era fundamental para conseguir um bom rendimento e ajudar com as finanças da casa. 

Profissão que persiste

As lavanderias comunitárias da Bahia são um símbolo da cultura brasileira. Até hoje, as lavadeiras utilizam esses espaços para lavar roupas à mão seguindo os processos artesanais de antigamente. A atividade é passada de mãe para filha, de tia para sobrinha. São mulheres que conseguem o próprio sustento por meio do trabalho, oferecendo uma vida digna aos filhos e familiares.

Técnicas de lavagem

Hoje em dia, existem diversos produtos que ajudam a tirar manchas e manter as peças na cor original. Sabão em pó, alvejante e amaciante são itens que fazem parte da rotina, mas nem sempre foi assim. As roupas brancas sempre deram muito trabalho. Na década de cinquenta, era comum ferver as peças e usar folhas de mamão na mistura para conseguir branqueá-las e tirar o aspecto encardido.

Quarar a roupa era outro hábito comum. Nesse caso, as lavadeiras esfregavam as peças e as batiam em uma tábua. Em seguida, deixavam as roupas expostas ao sol com um pouco de sabão. Desse modo, era mais fácil retirar as manchas, evitando o esforço excessivo. Por fim, vale destacar outra prática bastante comum: depois de esfregar as roupas, algumas lavadeiras enxaguavam as peças em água de anil — pedras que se dissolvem na água e deixam a roupa mais branca.

Passar roupa

Passar as roupas é mais uma etapa fundamental dos cuidados com as vestimentas. As donas de casa poderiam lavar e passar as peças ou solicitar esses serviços para profissionais especializadas. Vale ressaltar que nem todas as lavadeiras passavam as roupas. Em alguns casos, elas apenas dobravam as peças depois da secagem. 

Antigamente, utilizava-se um ferro de passar que era aquecido com brasas. Ele precisava ser abastecido com frequência para não esfriar. A tarefa exigia muita força e atenção, já que o acessório era pesado e poderia queimar as mãos. Além de todo o esforço físico, era necessário manter cuidados redobrados ao passar peças brancas. Afinal, as cinzas e pequenos pedaços de carvão poderiam sujar as roupas.

Da Redação, com agência*

*Com Agência de Notícias