O inverno tem como suas principais características o frio e o tempo seco, receitas perfeitas para o aumento de casos de doenças respiratórias, como rinite, sinusite, bronquite e a famosa gripe, que muitas vezes pode se desenvolver para um quadro mais grave e até chegar ao óbito.

A porcentagem de pessoas que sofrem com doenças respiratórias é realmente preocupante. Segundo pesquisa realizada pelo Ibope, com 2.010 brasileiros, cerca de 44% da população sofre de algum mal no sistema respiratório, sendo que 65% das pessoas com maior prevalência de sintomas se encontram na região Sul do país.

Apesar de preocupantes, grande parte das doenças virais não possui tratamento específico, sendo tratadas com hidratação, repouso e medicação – geralmente, analgésicos e antitérmicos. Vale ressaltar que é importante procurar um médico, inclusive um especialista em otorrinolaringologia pode ser mais recomendado, assim o profissional poderá entender melhor seus sintomas e sugerir a melhor forma de tratamento. Além disso, neste período, manter uma boa alimentação, se hidratar, evitar ambientes fechados e com muitas pessoas, higienizar as mãos com álcool e fazer o uso de máscaras podem evitar muitos transtornos para quem sofre com esta época do ano.  

(Imagem ilustrativa/Freepik)
(Imagem ilustrativa/Freepik)

Regiões do corpo mais afetadas pelo tempo seco e frio

As áreas mais prejudicadas pelo tempo seco são: nariz, ouvido e garganta. Por isso, além da interferência no funcionamento do nariz, gripes e resfriados, alguns problemas respiratórios, como bronquites, rinites e sinusites, são os que mais surgem nesta época do ano. 

Além destes, é importante se cuidar e atentar-se aos sintomas de pneumonia, que acontece quando há uma inflamação e infecção das vias respiratórias e estas atingem os pulmões. Geralmente, essa infecção no pulmão é causada por bactérias ou vírus e os sintomas incluem tosse com catarro, febre e calafrios. Em casos mais extremos, pode resultar em falta de ar também.

*Conteúdo colaborativo para o Folha Geral