Venda de selo de verificação no Instagram pode dar cadeia
Siga nossas redes

Busque no site

Publicidade

Tecnologia

Venda de selo de verificação no Instagram pode dar cadeia

Advogada especialista em crimes na internet, Lorrana Gomes, afirma que vender o status como um produto pode ser configurado como crime de estelionato e ter pena de até cinco anos de prisão

Leitura: 2 minutos
(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Alcançar o selo de verificação no Facebook ou Instagram é o sonho para muitos influenciadores digitais e personalidades da internet. A marca corresponde a um status virtual que dá, não só visibilidade ao perfil, como pode gerar parcerias e acordos comerciais para a pessoa verificada. Diante de tantos benefícios que o selo pode trazer, muitas empresas passaram a oferecer o serviço como um produto a ser adquirido por um valor específico, porém, o que muita gente não sabe é que a venda do status, além de ser uma falsa promessa, pode ser uma prática criminosa.

“Os selos são benefícios que as plataformas digitais oferecem aos usuários, e se nem elas os vendem, como alguém pode vender algo que não é seu?” questiona a advogada especialista em cibercrimes Lorrana Gomes, advogada da empresa de assessoria MF Press Global. “Não se trata de uma venda, e sim, uma conquista. Uma pessoa ou empresa que pedir um valor em troca desse selo pode estar cometendo crime de estelionato”, alerta.

Segundo a especialista, a prática de estelionato tem pena prevista de 1 a 5 anos de reclusão.

“O serviço que pode ser oferecido é o de facilitar a obtenção do selo, como criar um perfil relevante na internet, ajudar a construir a imagem, prestar serviços de assessoria e consultoria, entre outros”, completa.

Serviço com segurança e garantia

SEO da empresa MF Press Global, Fabiano de Abreu diz que 90% dos clientes que procuram a empresa estão em busca da obtenção do selo. Ainda segundo o empresário, muitos deles já sofreram golpes.

“Há muita procura pelo selo de verificação, pessoas que querem uma assessoria de imprensa para ter matérias e conseguirem o selo, muitos casos são de pessoas que pagaram uma agência fake que prometeu o selo e não entregou, muitas até mesmo praticando golpes. Há empresas que inclusive prometem matérias em jornais, de forma garantida. No mercado se sabe que não é possível pagar para ter matérias e sim, existe um processo de aprovação de conteúdos por parte da imprensa”, detalha.

*Com Agência de Notícias

Veja também

Notícia

Na trend, trabalhadores compartilham os benefícios que recebem das empresas

Notícia

Estudo aponta que região da Lagoa Azul, em Porto Seguro, deveria ser transformada em unidade de conservação

Tecnologia

Investir em um curso de inglês especializado para profissionais de TI é um passo estratégico

Notícia

Bahia inicia emissão nesta terça-feira, (9). Só faltam mais dois estados para todo o país aderir ao documento

Publicidade

Publicidade