em

Saiba quais são as raças mais indicadas para espaços pequenos

A limitação do ambiente não significa que tenha que se privar de um bichinho de estimação

Hoje em dia, há muitas formas de onde morar. Casa térrea ou sobrado, apartamento, studio ou loft: sempre há uma moradia com diferentes dimensões para necessidades variadas. Das grandes mansões, aos espaços restritos, é possível ter um bichinho de estimação que se adeque ao estilo de vida do tutor e ao local em que mora.

O bom senso, no entanto, deve predominar. Um cão de pastoreio, por exemplo, precisa de mais exercício que um Pinscher; um pet de grande porte necessita de mais espaço que um pequeno e assim por diante.

Algumas características das raças também têm de ser ponderadas na hora de escolher o bichinho de estimação, até por causa da convivência com os vizinhos. Um cão que late muito, por exemplo, pode não ser bem-vindo em um edifício ou condomínio com muitos moradores.

Uma boa conversa com o médico veterinário antes de adquirir o pet pode ajudar a tornar essa decisão mais assertiva. E mesmo quem adota um pet sem raça definida também precisa levar em conta o comportamento e o porte do animal, em relação ao local de residência, para ver se é compatível. Essas medidas garantem o bem-estar físico e mental do animalzinho de estimação.

Tem que se mexer

Não importa qual é a raça ou o porte, todo cãozinho precisa caminhar e se exercitar. Cachorros são animais andarilhos e o sedentarismo faz muito mal para a sua saúde, indo além da questão estética. O exercício ajuda o pet a gastar energia e ansiedade. Ele fica mais calmo, menos estressado e mais disposto à companhia de outros cães e até de outras pessoas.

Animais sociáveis, eles precisam também de companhia. Portanto, se o tutor passa o dia todo fora e o animal vai ficar muito tempo sozinho, pode ser importante considerar a contratação de creches e pet cares. Há muitos relatos de queixas em condomínios por conta do latido excessivo de cães, que ficam estressados por ficarem o dia todo sem companhia. Avalie se esse seria o seu caso antes de adquirir o pet.

Muita energia!

Além das recomendações acima, é preciso lembrar que algumas raças têm muita energia, por isso não são ideais para ambientes pequenos. Raças consideradas “de trabalho”, como a dos cães pastores e terriers, são exemplos de algumas que demandam espaço para poderem se exercitar e se cansar.

Reis do sossego

Por outro lado, há raças que ficam muito bem em locais pequenos, porque são mais tranquilas e até preguiçosas:

  • Buldogue-inglês: baixinhos e preguiçosos, precisam de pouco exercício para ficar bem. Por isso, são ótimos pets para ambientes pequenos;
  • Buldogue-francês: brincalhão, precisa de pouco exercício físico e convive bem com locais pequenos;
  • Pug: tranquilo, e com baixa probabilidade de latir, é um dos pets preferidos para quem mora em condomínio. Só não curte ficar sozinho;
  • Shi tzu: altamente sociável, pouco barulhento e muito carinhoso, é um dos queridinhos de quem vive em apartamento;
  • Lhasa apso: precisa de escovação constante e pode encher o ambiente de pelos, mas vive bem em ambientes pequenos;
  • Chiuaua: baixinho e invocado, ele pode latir bastante e não ser muito sociável, mas adora a companhia dos tutores e precisa de pouco espaço e exercício para ficar bem;
  • Pinscher: outro cãozinho de poucos amigos, mas que também vive bem em ambientes menores;
  • ●     Yorkshire terrier: consegue se exercitar dentro de casa mesmo. É afetuoso com o tutor, mas desconfiado com estranhos. Ideal para ficar dentro de casa;
  • Maltês: quietinho e carinhoso, pode sofrer de ansiedade de separação. Vive bem dentro de casa e em locais menores;
  • Poodle toy: precisa de pouco exercício e vive bem, até mesmo em studios.
  • Daschund, conhecido como “salsicha”: pode ser um pouco barulhento, mas adora ficar dentro de casa e não se importa com a quantidade de metros quadrados do ambiente,
  • Shiba inu: independente e quietinho, só precisa de exercícios diários para manter a saúde em dia.

(Imagem ilustrativa/Divulgação)

Saiba como funciona a cartilha sobre a proteção de direitos dos jornalistas

(Imagem ilustrativa/Divulgação)

Saiba quais são os benefícios do banho quente