Não é novidade nenhuma para todos que o processo de vendas mudou nos últimos anos. E o principal motivo tem referência direta com as transformações digitais que aconteceram. Até pouco tempo atrás, a venda era apenas uma transação comercial, que acontecia quando a empresa disponibilizava um bom atendimento. Mas isso mudou.

Hoje em dia, os processos que eram facilmente resumidos passaram a se tornar algo mais complexo. Isso porque as vendas superficiais foram deixadas de lado. Foi aí que surgiu o deep sales. Por isso, hoje vamos explicar tudo que envolve esse conceito relativamente novo e essencial para potencializar as relações comerciais.

O que é deep sales?

Traduzindo de forma literária, deep sales significa venda profunda. Esta é uma abordagem diferenciada que gera a capacidade de o vendedor entender quais são os anseios e as necessidades do cliente para conseguir fidelizá-lo. Só assim é possível ter um fechamento com os melhores resultados, além de elevar o desempenho. Para isso acontecer, o consumidor deve ter certeza de que o vendedor está preparado com os seguintes aspectos:

  • Conhecer perfeitamente o negócio e o mercado de clientes.
  • Se comprometer a manter um relacionamento em longo prazo.
  • Estar disposto a aceitar uma perda.
  • Manter a agilidade.
  • Ter uma abordagem assertiva.

O último aspecto foi citado, mas de longe é o menos importante. Para se ter uma ideia, um relatório da State of Sales 2022, do LinkedIn, apontou que 76% dos melhores vendedores disseram que sempre realizam pesquisas antes de entrar em contato com potenciais clientes. 

Além de uma “simples pesquisa”, é preciso ter algumas atitudes para ter um sucesso maior nas vendas. Entre eles, estão: ter paciência, ser transparente, manter-se curioso e flexível, principalmente quando as coisas não caminham conforme o esperado.

E aplicando o deep sales, minimiza-se o gargalo que há entre vendedores e decisores de compra. Isso porque a técnica disponibiliza um conjunto de dados que estão presentes em três áreas diferentes.

  • Insights de conta – Facilita a identificação de contas das pessoas que têm mais chances de finalizar uma compra.
  • Inteligência no relacionamento – Localiza quem são de fato os decisores de compra e direciona quais são os melhores canais para chegar até eles.
  • Intenção do comprador – Ajuda a entender qual é o momento ideal de entrar em contato com o consumidor, como uma mudança de estratégia que ele teve ou promoção dentro de uma empresa.

Fato é que o conceito é novo e pode parecer difícil tirá-lo da teoria e aplicá-lo, mas um facilitador disso, principalmente quando falamos de clientes brasileiros, é o WhatsApp Marketing. O ideal é que você consiga aplicar as técnicas e dicas citadas acima para conseguir alavancar os resultados.

Alice Bachiega

Colaboradora do Folha Geral - cada publicação é de responsabilidade da autora