em de ,

Baianas do acarajé: símbolos da Bahia que movimentam a economia do estado

Baianas de Acarajé - Elaine de Assis. Foto: Ana Paula Bispo/Setur
Baianas de Acarajé – Elaine de Assis. Foto: Ana Paula Bispo/Setur

Uma vestimenta que chama a atenção pela beleza e riqueza de detalhes, maquiagem que ressalta os olhos e, apesar das muitas horas de atividade, a presença constante de um sorriso nos lábios. As baianas do acarajé, tradicional símbolo da cultura popular brasileira e principal agente de divulgação da Bahia em território nacional e internacional, têm seu dia comemorado nesta sexta-feira (25/11).

Missa solene celebrada às 9h, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, no Pelourinho, marca a data, que será seguida de almoço comemorativo na Praça da Cruz Caída, onde se localiza o Memorial das Baianas, e muito samba na região do Centro Histórico. As comemorações têm apoio do Governo do Estado, através das secretarias de Turismo e Cultura.

Acarajé. Foto: Tatiana Azeviche/Setur
Acarajé. Foto: Tatiana Azeviche/Setur

No Estado, existem entre oito e dez mil baianas, de acordo com a Associação das Baianas de Acarajé e Mingau do Estado da Bahia (Abam). Em Salvador, são aproximadamente 3,5 mil, aponta Rita Santos, que coordena a entidade desde 2011. Para ser baiana, diz, tem que gostar do que faz, ter simpatia, muita saúde e ciência, para chegar ao ponto com alegria e se vestir com respeito à cultura. “Para ficar atrás do tabuleiro, tem que estar de bata, saia, torço e fio de conta no pescoço. Isso é o que o patrimônio cultural pede e está no decreto municipal”, recomenda.

As baianas do acarajé ultrapassam a imagem cantada por Carmen Miranda, em 1939, na música de Dorival Caymmi, O que é que a baiana tem? Além de torço de seda, bata rendada e saia engomada, essas mulheres fortes têm, também, muita disposição. Faça sol ou chuva, passam horas atrás de tabuleiros; são chefes de família, com um trabalho que gera emprego e incrementa o comércio, movimentando a economia do Estado.

Tabuleiro da baiana. Foto Tatiana - Azeviche/Setur
Tabuleiro da baiana. Foto: Tatiana – Azeviche/Setur

Afinal, para fazer chegar à mão do freguês os famosos produtos, levantam cedo e vão às feiras e mercados comprar os ingredientes que entram no preparo dos quitutes. Com uma oferta variada nos tabuleiros, com cocada, bolinho de estudante, passarinha e peixe frito, o grande astro é o acarajé. O quitute corresponde a 80% das vendas, acompanhado de camarão e vatapá. Cozido em folha da bananeira, o abará vem logo depois.

Herança cultural – Elaine de Assis, 35 anos, está à frente de um dos tabuleiros mais famosos de Salvador, o de Dinha do Acarajé (sua mãe, falecida em 2008), com quem começou a trabalhar aos 12 anos. Junto com o irmão Edvaldo, Elaine administra o tabuleiro no Largo do Rio Vermelho, além de outro no Costa Azul. Semanalmente, são consumidos entre 200 e 250 quilos de camarão seco defumado e 500 quilos de feijão fradinho, além de outros ingredientes.

Formada em turismo e pós-graduada em planejamento e organização de eventos, Elaine diz que gosta de ser baiana de acarajé. E conta histórias divertidas. “Tem turista que pergunta se é para pôr ketchup, mostarda ou maionese. Outro já quis experimentar a folha da bananeira que enrola o abará. Tem até baianos que pedem limão”, lembra.

Na quarta geração de baianas – bisavó, avó e mãe -, Tânia Bárbara Nery, 52 anos, à frente do Acarajé Tânia do Farol, vende de 100 a 130 acarajés nos finais de semana. Na alta estação, as vendas sobem e variam de 250 a 390 acarajés, e de 70 a 90 abarás. “É quando a gente se prepara para a pouca venda no inverno”, revela.

Mãe de dois filhos, Tânia diz que procura manter o mesmo sabor, qualidade e alegria que fizeram a fama da família. A estudante Sueli Nascimento, que morou na Barra muitos anos, atesta. Quando quer comer acarajé, sai da Paralela, onde mora com o marido e filhos, e vai para o quiosque de Tânia. “São fregueses assim que me fazem feliz”, resume a baiana.

Baianas de Acarajé - Tânia Nery. Foto: Ana Paula Bispo/Setur
Baianas de Acarajé – Tânia Nery. Foto: Ana Paula Bispo/Setur

Repórter Helo Sampaio

PUBLICIDADE

Publicidade

Teste grátis por 14 dias. Se você gostar, assine utilizando o cupom: LC3JQAWPE3XK74E e ganhe 20% de desconto durante 1 ano. Saiba mais em: Conheça o G Suite



Loading...

Da Folha Geral, em Salvador*

*Com colaboração de (agência, assessoria ou especialista)

PUBLICIDADE

Rally Quadrifoglio no próximo sábado, dia 26 de novembro em São Paulo

Na Fieb, Rui anuncia novos investimentos para a Bahia: “nossa obsessão é gerar emprego”