Com a moeda desvalorizada, os turistas têm procurado cada vez mais o país sul-americano para viajar, além de aproveitar melhor a viagem gastando muito pouco

Viajar sempre é uma ótima opção para quem procura relaxar, conhecer novos lugares, pontos de vista, ou até mesmo culturas diferentes do que está habituado. Porém, para que essa jornada seja feita com o mínimo de imprevistos possíveis, é importante conhecer o lugar para onde você vai.

Isso se traduz em estudar rapidamente a economia do local onde você pretende ir, ver como a moeda tem se comportado nos últimos meses, além de verificar se não está envolvida em nenhum conflito iminente, ou qualquer outro tipo de situação que possa resultar em uma tremenda dor de cabeça.

Por isso, os turistas brasileiros têm optado por realizar viagens para o nosso país vizinho Argentina, levando em conta a desvalorização da moeda, dando para eles um poder de compra muito maior do que teriam se fossem para alguma outra nação do mundo.

Somente para termos uma noção, a economia argentina sofre com uma inflação prevista para chegar nos 70% até o final de 2022, e a perda acumulada anualmente chega a 25% em relação ao dólar, e quase 18% perante ao real. Estes são dados do jornal O Sul.

Essa desvalorização acelerada da moeda se traduz em um convite aberto para os turistas. Se usarmos o real como comparação, com somente R$ 1,00, você consegue comprar 55 pesos argentinos.

Mas isso você consegue através de um macete bastante usado pelos turistas. Para isso, é preciso que você troque os reais que você transferiu do Brasil para a Western Union, uma rede de transferências internacionais, que acaba pagando muito melhor que os cambistas da região, que oferecem somente 42 pesos por cada R$ 1,00.

Por isso, cada vez mais viajantes têm optado por comprar uma passagem para Buenos Aires, ao invés de comprar para algum lugar dos Estados Unidos, por exemplo. Segundo dados também do jornal O Sul, cerca de 22% do total de 2,5 milhões de turistas recebidos pela Argentina no primeiro semestre de 2022 foram brasileiros.

Isso também se traduz em uma alta na frequência de voos de ida ou volta do país sul-americano. 

O lado negativo de toda essa euforia é que os produtos que antes estavam relativamente baratos, de acordo com informações do site Uol Economia, tiveram um aumento de 20% no que estava registrado nas etiquetas ao longo dos últimos meses. Grande parte disso é devido à alta cada vez mais rápida da inflação.

Mesmo assim, a Argentina é um local rico em construções históricas, e, graças à sua moeda desvalorizada, acaba também se tornando um paraíso para quem quer comprar. Vale lembrar para se planejar bem primeiro; desta forma, você pode aproveitar bem mais.