Com o aumento das atividades remotas em meio à pandemia do novo coronavírus, o Brasil chegou a registrar recordes de insatisfação com a internet fixa nos últimos dois anos. Ao que tudo indica, no entanto, agora o cenário parece finalmente estar melhorando: segundo informações recentes reveladas pela plataforma Minha Conexão, mais da metade dos estados nacionais contam, hoje, com banda larga suficiente para navegação diária, jogos online e consumo de vídeos em alta qualidade.

Partindo dos 9,2 milhões de testes de qualidade feitos pelos usuários nos últimos seis meses, o site especialista na medição de velocidade de internet acaba de disponibilizar um panorama analítico sobre o serviço em todo o país. Vale destacar que os dados dos internautas foram compilados, divididos por regiões e, em alguns casos, distribuídos em uma escala de pontuação de 0 a 10 — sendo 0 insuficiente, 1 a 6 má qualidade, 7 a 8 qualidade intermediária, e 9 e 10 boa qualidade.

Segundo Alexandre Martins, porta-voz do site, os cálculos “tiveram como base as velocidades e latência da conexão dos usuários para gerar notas que refletissem a experiência online real dos brasileiros”.

Boa conexão para streaming

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Quando o quesito é a velocidade da internet para o consumo de vídeos, os dados a nível nacional surpreendem: 77,4% das conexões testadas nos últimos seis meses demonstraram suportar conteúdos em resolução 4k, enquanto, entre as medições restantes, 10% dariam conta de materiais em 1080 pixels. Em outras palavras, apenas 12,59% dos testes feitos por brasileiros demonstraram velocidades suficientes para o consumo audiovisual restrito a 360 ou 720p, fenômeno similar ao que acontece dentro de cada região do país. 

Mesmo sem grandes diferenças estaduais, Piauí, Distrito Federal, São Paulo e Goiás foram os únicos nos quais mais de 80% dos testes dos usuários identificaram conexões de alto nível. Em contrapartida, os estados de Pernambuco, Bahia, Pará, Roraima e Acre contabilizaram a menor porcentagem de boas conexões da lista — todos abaixo de 70% do total.

Qualidade de internet para navegação diária

Afinal, quantos brasileiros navegam pela internet sem preocupação? De acordo com o site especialista, uma grande parcela. Isso porque 84,9% das medições recentes apontaram para conexões definidas como “boas”, diferença considerável em relação à soma entre as consideradas ruins, insuficientes e intermediárias. Tanto os altos números positivos quanto sua discrepância, aliás, também foram observados em todas as regiões nacionais, com destaque para o Centro-Oeste.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Bom suporte para jogar online

Para avaliar a velocidade de internet para jogos, o Minha Conexão levou em conta o ping detectado nos testes dos internautas. Também conhecido como latência, a expressão diz respeito ao tempo de resposta do dispositivo durante o envio de um pacote de dados ao servidor (os comandos de um game, por exemplo). Ou seja, quanto mais alto for o ping, pior será a experiência nos games online.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

No país, a latência média nacional com base nas medições foi de 47 ms, valor interessante para a execução dos games. Já entre as regiões, a que apresentou melhor resultado foi a Centro-Oeste (41 ms), seguida da Sudeste (46 ms). Tanto Nordeste quanto Sul registraram 49 ms, ambas acima da região Norte, com o ping mais elevado da lista (57 ms).

Sobre o Minha Conexão

Disponível nas versões web e mobile, o Minha Conexão é hoje um dos maiores medidores de velocidade de internet do país. O velocímetro, que conta com mais de seis milhões de acessos mensais, permite que os usuários avaliem gratuitamente informações importantes sobre a qualidade de suas conexões, como o ping (latência), velocidade de download e velocidade de upload. Desde 2020, o site é mantido pelo Melhor Plano, plataforma especializada na comparação imparcial de planos de telefonia e internet no Brasil.

*Colaboração de Giselia Amanyara

Aurora

Colaboradora do Folha Geral - cada publicação é de responsabilidade da autora