Diabetes tipo 2: expectativa de vida cai quanto mais cedo se desenvolve a doença 
Siga nossas redes

Busque no site

Publicidade

Saúde

Diabetes tipo 2: expectativa de vida cai quanto mais cedo se desenvolve a doença 

Cada década de antecedência reduz em 3 a 4 anos a longevidade; estudo ressalta a importância de identificar fatores de risco precocemente.

Leitura: 3 minutos

Por Gabriela Cupani

Quanto mais cedo uma pessoa desenvolve o diabetes tipo 2, menor será a sua expectativa de vida. A cada década que alguém antecipa o diagnóstico, perde de três a quatro anos. Portanto, como a doença está associada ao estilo de vida, é essencial controlar os fatores de risco para prevenir ou, pelo menos, retardar ao máximo o seu aparecimento. O alerta vem de um novo estudo publicado no The Lancet, realizado pelo Emerging Risk Factors Collaboration, um consórcio que reúne várias pesquisas sobre fatores de risco cardiovascular e é coordenado pela Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

Embora já fosse conhecido que a doença impacta a longevidade, os pesquisadores buscaram apresentar estimativas confiáveis da relação entre a idade do diagnóstico e a mortalidade. Para isso, analisaram dados de 97 grupos de pacientes envolvendo mais de 1,5 milhão de pessoas em 19 países. Um dos critérios de inclusão era ter recebido o diagnóstico na idade adulta, para eliminar a possibilidade de se tratar de diabetes tipo 1, que possui características distintas e cujo surgimento não está relacionado ao estilo de vida.

Os cientistas observaram uma associação proporcional entre idade precoce de diagnóstico de diabetes tipo 2 e um maior risco de mortalidade em comparação com aqueles que não têm a doença, tanto em homens quanto em mulheres. As principais associações foram encontradas em problemas vasculares, como infarto e Acidente Vascular Cerebral (AVC), além de doenças respiratórias e neurológicas.

Doença tem aparecido mais cedo

O cenário é preocupante porque a incidência da doença vem crescendo em jovens no mundo todo. Um estudo recente, publicado no British Medical Journal, mostrou que ela aumentou 56% na faixa dos 15 aos 39 anos entre 1990 e 2019. Um dos principais fatores de risco foi o alto Índice de Massa Corporal (IMC). 

“Quanto maior o tempo de exposição a altos níveis de glicose, maior o risco de complicações”, diz o endocrinologista Simão Lottenberg, do Hospital Israelita Albert Einstein. A longo prazo, o diabetes causa tanto lesões macrovasculares, que aumentam o risco de infartos e derrames, quanto lesões microvasculares. Nos pequenos vasos sanguíneos, os níveis elevados de glicemia podem resultar em doença renal, afetar a retina – o que pode levar à cegueira – e provocar neuropatia, uma condição que afeta o funcionamento dos nervos periféricos, podendo afetar tanto a sensibilidade quanto a motricidade.

O médico explica que quanto mais se retardar – ou até mesmo evitar –  o aparecimento do diabetes, melhor. Isso porque temos a chamada memória metabólica, que eleva progressivamente o risco para o desenvolvimento de complicações. Se a pessoa passar muitos anos sem tratamento, mesmo as melhores terapias acabam tendo um efeito limitado. 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Quer anunciar? Clique aqui

“O novo estudo demonstra algo que já imaginamos e ressalta a importância de identificar precocemente os fatores de risco e tratá-los corretamente”, diz Lottenberg. Ele ressalta que quem tem um quadro de pré-diabetes, ou seja, tem alterações na glicemia que indicam maior risco de desenvolver a doença, já pode ter comprometimentos como alterações no colesterol e hipertensão. “Essas pessoas precisam já começar a tratar a obesidade, a hipertensão, fazer atividade física, controlar alimentação, por exemplo”, diz o médico. Vale lembrar que a obesidade é uma doença que precisa ser tratada, se preciso com medicação, pois é fator de risco para inúmeras outras doenças, não apenas o diabetes.

Com foco em saúde, ciência e bem-estar, a Agência Einstein oferece gratuitamente conteúdo qualificado para jornais, revistas, emissoras de TV e rádio e sites de notícias. A iniciativa do Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo, tem o objetivo de difundir informação de qualidade para promover saúde e difundir conhecimento.

Veja também

Saúde

Em estudo nos EUA, participantes que reduziram a ingestão de fontes de carboidratos simples (como massas e doces) tiveram crises menos frequentes do problema

Saúde

Pesquisa sugere maior consumo de produtos ricos em gordura, sal e açúcar entre jovens que jogam ou assistem a transmissões online de games

Saúde

Em pesquisa dinamarquesa, programa de um ano de exercícios permitiu ganhos expressivos que compensaram perda muscular posterior; ideal é que atividades físicas sejam praticadas...

Saúde

Estudo mostra relação entre horários, qualidade do sono e bem-estar; fatores socioeconômicos como gênero, raça e nível educacional impactam na condição de trabalho e,...

Publicidade

Publicidade