em de

Rui Costa se lança candidato na Veja e diz que Lula Livre não deve ser condição do PT para alianças

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), admitiu intenção de disputar o Planalto em 2022: “hoje, quero construir com outras lideranças essa alternativa”. Apesar de defender que o PT “não pode e nem deve” deixar de defender a liberdade de Lula, diz não achar que isso deva condicionar qualquer diálogo com as oposições. Sobre 2018, reforça que o partido deveria ter apoiado Ciro Gomes e avalia que “há sinais claros de que a democracia está sendo desrespeitada” na Venezuela

Governador Rui Costa. Foto: Camila Souza/GOVBA
Governador Rui Costa. Foto: Camila Souza/GOVBA

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), concedeu uma entrevista à Veja em que admite intenção em disputar a presidência da República em 2022, reforça a análise de que o PT deveria ter apoiado Ciro Gomes em 2018, avalia que a bandeira Lula Livre não deva ser condicional para que o partido forme alianças com partidos de oposição e vai na contramão do partido no que diz respeito à Venezuela: “Há sinais claros de que a democracia é desrespeitada e de que há agressões contra pessoas e os seus direitos”.

Sobre a possibilidade de candidatura, afirma: “Disse isso ao Lula: mais do que projetarem nomes, os partidos deveriam deixar a vaidade de lado. Se cada um quiser se colocar um degrau acima, não vamos conseguir pensar um projeto de país. Hoje, quero construir com outras lideranças essa alternativa”.

Ele faz críticas à Lava Jato, argumentando que se tratou de uma operação “usada com viés político-partidário”, mas não é da opinião “de que tudo o que foi apurado é falso ou fruto de manipulação para perseguir e condenar o PT e outros partidos de esquerda”.

Apesar de defender que o PT “não deve nem pode abrir mão” da bandeira Lula Livre, uma vez que “mais do que nunca está claro que Lula não teve direito a um julgamento justo” e que “a condenação no caso do tríplex é uma aberração gigantesca”, Rui Costa diz não achar “que esse é o ponto que deve ser usado pelo PT para condicionar qualquer diálogo com as oposições para formar uma frente”.

Questionado se foi um erro do partido ter lançado candidatura própria na eleiçãom presidencial de 2018, Rui Costa afirmou que o “certo era ter apoiado o Ciro Gomes”. “Essa não é uma opinião que dou com a partida já encerrada. Eu e o ex-governador Jaques Wagner defendemos naquele momento a ideia de que o PT deveria ter um candidato de fora do partido caso houvesse o impedimento do ex-presidente Lula”, continuou. 

“Nenhuma outra liderança teria condições de superar o antipetismo ou disputar a Presidência em pé de igualdade naquele cenário. A reflexão também tem de ser anterior. Faltou perceber que era preciso dialogar com todos os segmentos sociais, mesmo com aqueles que pensam diferente”, acrescentou.

Venezuela

Ao comentar sobre a Venezuela, o governador petista avaliou como um “problema” o diagnóstico feito pelo PT “porque manifestamos unilateralmente apoio a um dos lados na Venezuela, independentemente do que estivesse ocorrendo”. 

“A Venezuela enfrenta o mesmo momento que o Brasil, mas no oposto ideológico. Há sinais claros de que a democracia está sendo desrespeitada e de que agressões estão sendo desferidas contra pessoas e seus direitos”, acrescentou.

Via Brasil247



Patrocinador
Loading...
Rede clandestina retirada em Ibotirama. Foto: Divulgação/Embasa

Embasa retira rede clandestina que prejudicava abastecimento na zona rural de Ibotirama

Mais de 2 milhões de alunos concluintes do 3º ano do Ensino Fundamental apresentaram desempenho insuficiente no exame de proficiência em leitura. Foto: Freepik

Demora na alfabetização não deve ser confundida com distúrbio de aprendizagem