Brasil finaliza colheita de uma nova safra recorde de algodão
Siga nossas redes

Busque no site

Publicidade

Notícia

Brasil finaliza colheita de uma nova safra recorde de algodão

Atingindo a marca esperada de 2,9 milhões de toneladas de algodão em pluma, 5% a mais que em 2018/2019

Leitura: 3 minutos

Batendo recorde sobre recorde nos três últimos ciclos, o Brasil concluiu a colheita de algodão da safra 2019/2020, atingindo a marca esperada de 2,9 milhões de toneladas de algodão em pluma, 5% a mais que em 2018/2019. Em torno de 700 a 750 mil toneladas da commodity vão abastecer a totalidade da demanda do mercado interno, e o excedente segue para exportação. De acordo com a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), a cotonicultura brasileira – das mais produtivas do mundo – passa longe de qualquer risco de escassez, mesmo com a recuperação da indústria em função do reaquecimento do consumo varejista, após as medidas reabertura do comércio nacional, nesta etapa da pandemia.

(Foto: Adenilson Nunes/GOV-BA)
(Foto: Adenilson Nunes/GOV-BA)

O beneficiamento do algodão, processo que separa a semente da fibra para que esta possa seguir para a indústria, também se dá em ritmo acelerado. “Cerca de 50% do total colhido já foi processado, sem possibilidade de entressafra para a indústria têxtil. Somos o quarto maior produtor mundial de algodão, fornecedores de pluma em 12 meses do ano”, explica o presidente da Abrapa, Milton Garbugio. A associação contesta a atribuição do aumento no preço das roupas – que o consumidor final está percebendo nos pontos de venda – à valorização da commodity, baseada em uma suposta escassez da matéria-prima.

De acordo com a Abrapa, em relação ao preço, a suposta alta de que se queixam indústria têxtil e lojistas, se deve à variação cambial do real em relação ao dólar.  Pela tabela do Índice ESALQ, que é a referência para a comercialização do algodão no Brasil, em setembro de 2018, o agricultor vendia seu algodão por US$ 1,70 por quilo de pluma ou R$ 7,02/kg. Em setembro de 2019, o algodão era vendido por US$ 1,31 o quilo, ou R$ 4,76 por quilo de pluma.

“Hoje, o produtor comercializa por US$ 1,32 o quilo ou R$ 7,05 /quilo de pluma. Ou seja, praticamente o mesmo valor em reais praticado em setembro de 2018”, contesta Garbugio.

Ainda segundo o presidente da Abrapa, atualmente, a rentabilidade do produtor de algodão está muito baixa.  Conforme levantamentos da Conab, os custos de produção do algodão giram em torno de R$ 7 por quilo de pluma produzida, muito próximos aos preços praticados no mercado.

“Nós produtores ficamos muito contentes em saber que a indústria nacional está se recuperando, e dependemos de que isto aconteça. Ficamos também felizes em ver que a procura por algodão está aquecida, ainda mais com o preço dos sintéticos mais alto, em função da variação cambial do real. Da nossa parte, o que podemos garantir é produzir cada vez mais e melhor”, finalizou Garbugio, reforçando que o Brasil se prepara para iniciar o plantio da safra 2020/2021.

*Com Agência de Notícias

Veja também

Saúde

Em pesquisa dinamarquesa, programa de um ano de exercícios permitiu ganhos expressivos que compensaram perda muscular posterior; ideal é que atividades físicas sejam praticadas...

Notícia

Na trend, trabalhadores compartilham os benefícios que recebem das empresas

Notícia

Estudo aponta que região da Lagoa Azul, em Porto Seguro, deveria ser transformada em unidade de conservação

Notícia

Bahia inicia emissão nesta terça-feira, (9). Só faltam mais dois estados para todo o país aderir ao documento

Publicidade

Publicidade