Com o objetivo de minimizar os efeitos da crise, o governo ucraniano lançou neste mês de março um portal em parceria com as exchanges de criptomoedas FTX e Everstake. 

A proposta é canalizar doações para o banco central da Ucrânia como forma de combater os efeitos devastadores da invasão russa. 

Na página “Aid for Ukraine” (Ajuda para a Ucrânia), os usuários podem ajudar com doações de 10 criptomoedas, incluindo bitcoin, ether, theter e dogecoin. 

De acordo com o vice-minitro da Transformação Digital, Oleksandre Borniakov, as moedas digitais já provaram ser ativos valiosos para dinamizar o fluxo de fundos para cidadãos e soldados ucranianos. 

A empresa Everstake, uma das maiores companhias do segmento da Ucrânia, permitirá que os usuários façam doações em outras criptomoedas, além das listadas no site. Outra companhia que fará parte da campanha é a plataforma de criptomoedas ucraniana Kuna. 

Resultados da campanha

No site “Aid for Ukraine”, até a primeira quinzena de março já haviam sido arrecadados quase US$ 49 milhões de uma meta total de US$ 200 milhões. 

Este dinheiro vai ser destinado ao apoio do exército ucraniano e de civis que precisam com urgência de assistência humanitária. 

Mais números sobre doações para a Ucrânia

Além dos números apontados anteriormente, especialistas informam que mais doações estão chegando para a Ucrânia. Eles afirmam que pelo menos US$ 13,7 milhões, o que equivale a R$ 68 milhões, foram enviados para a Ucrânia. 

Pesquisadores da Elliptic, uma empresa de análise de blockchain, dizem que o governo ucraniano, ONGs e grupos voluntários conseguiram levantar esse dinheiro pedindo doações a suas carteiras de bitcoin.

Um dos doadores chegou a destinar US$ 3 milhões (R$ 15 milhões) em bitcoins para uma ONG. A doação média é de US$ 95. 

O criador da Elliptic, Tom Robinson afirma que, enquanto algumas empresas de crowdfunding e pagamentos se recusam a permitir que doações sejam feitas a grupos que apoiam militares ucranianos, as criptomoedas surgiram como uma alternativa poderosa. 

(Imagem ilustrativa/Pexels)
(Imagem ilustrativa/Pexels)

Lado Russo também investe nas criptomoedas

Além dos ucranianos, os russos também enxergam nas criptomoedas uma excelente alternativa para eles, considerando as mais diversas sanções que o governo vem sofrendo. 

Neste contexto, o governo analisa a possibilidade de lançar exchanges de criptomoedas nacionais. A proposta é minimizar os efeitos das restrições impostas por outros países, em função da guerra com a Ucrânia. 

Neste contexto, tramita no governo local um projeto de lei que prevê diretrizes para o uso de criptomoedas no país. A proposta possibilita aos russos investir em criptoativos. Contudo, os cidadãos não poderiam usar os ativos digitais para compras, como moeda. Entretanto, de acordo com o projeto, ainda haverá restrições para esse formato de investimento. 

*Este conteúdo é de inteira responsabilidade da autora e não representa a opinião do Folha Geral

Carolina Glogovchan

Colaboradora do Folha Geral - cada publicação é de responsabilidade da autora