A abordagem Pikler conta com uma série de princípios e metodologias focados no trabalho coletivo com bebês e crianças. Seu ponto de partida é o respeito e a confiança no desenvolvimento natural dos pequenos, de forma também a fortalecer a criação do vínculo entre o adulto e a criança.

De maneira prática, é importante destacar que a abordagem Pikler é, na verdade, uma filosofia de vida, uma das formas mais adequadas de ver e apoiar crianças pequenas em seu processo de desenvolvimento. Diante de um olhar mais objetivo no desenvolvimento infantil constrói-se um caminho mais leve e focado no bem-estar físico, afetivo e psíquico de indivíduos que são vistos como capazes desde o nascimento.

O termo “abordagem”, portanto, é completamente diferente de metodologia e se revela cada vez mais acertado quando pensamos na construção de princípios que cercam os cuidados dos bebês e crianças pequenas. Isso porque, cada criança se desenvolve de uma forma e no seu tempo, exigindo muita observação e cuidados específicos. 

De forma geral, no entanto, é válido evidenciar que toda criança tem um potencial inato para o crescimento e desenvolvimento, mas comprovadamente é fundamental oferecer um ambiente que assegure a continuidade e o pleno desenvolvimento deste potencial.

Início da abordagem Pikler

A abordagem Pikler nasceu em 1946, e acredita no respeito à individualidade de cada criança, de forma a permitir que a criança tenha liberdade de movimentos que possibilitem descobertas em ambientes seguros e adequados.

A criança precisa experienciar a competência de seus atos independentes para garantir o desenvolvimento da motricidade livre e das aprendizagens possíveis. Mais importante do que incentivar a criança também é a necessidade de ter verdadeira confiança no desenvolvimento infantil, na capacidade e ritmo de cada criança, reconhecendo originalidades e particularidades.

Isso significa que a abordagem Pikler incentiva que os adultos deem liberdade às crianças para descobrir seu corpo e seus movimentos, a partir de brinquedos adequados em peso, quantidade e conservação. 

Por fim, mais eficaz do que qualquer brinquedo sofisticado é um adulto que acredita na sua  função de mediador e incentivador de que a criança é plenamente capaz de se desenvolver. 

Carolina Glogovchan

Colaboradora do Folha Geral - cada publicação é de responsabilidade da autora