em

Por que cada pele reage de maneira diferente ao mesmo perfume?

Tipo de pele é específico, assim como o aroma favorito de cada um

(Imagem ilustrativa/Divulgação)

O perfume que você gosta diz muito sobre a nossa personalidade e com certeza está atrelado a sensações psicológicas que temos quando o sentimos. 

A escolha de um bom perfume vai além de simplesmente gostar do seu cheiro. Quando vamos comprá-lo, pensamos nos locais onde vamos usá-lo, com quais pessoas estaremos e até mesmo qual o tipo de sensação que queremos ter e despertar nos outros.

Segundo a aromaterapeuta Mayra Corrêa e Castro, “o cheiro da nossa pele muda de acordo com o que comemos. Depois, há a mudança no cheiro do perfume quando em contato com o nosso suor”.

Considerando também fatores genéticos, que determinam quais cheiros são perceptíveis aos nossos organismos e como eles reagem quando inalados, os perfumes ganham uma variedade ainda maior de sensações.

Estrutura do perfume

Embora mudem de acordo com a marca, forma de produção e embalagem, os perfumes possuem uma estrutura básica e que você deve ter em mente na hora de comprar.

Notas de saída

São os aromas percebidos logo após a primeira borrifada do perfume em um papel ou sobre a pele. Eles se combinam para chamar a atenção do olfato de quem experimenta a fragrância pela primeira vez, sendo, muitas vezes, bastante marcantes e refrescantes — fator explicado pelo álcool contido na composição.

Esses aromas se esvaem facilmente, dando lugar ao meio da fragrância logo em seguida. É devido a essas notas que se mostrarão que você precisa esperar alguns minutos para sentir o “real” aroma do perfume e basear sua escolha nele.

Notas de corpo

É a combinação de aromas sentida logo após a primeira evaporação do perfume. Considerado a alma do perfume, é o cheiro que permanece por mais tempo na pele, sendo a base de toda a ideia do produto.

Nesta fase, são bastante usadas folhas e especiarias, especialmente combinadas pelos fabricantes para proporcionar aromas originais e marcantes.

Notas de fundo

São os aromas sentidos depois de algumas horas da aplicação, costumam ser mais fortes e amadeirados, com base em resinas e moléculas feitas para substituir as de origem animal.

Pele única

Assim como os perfumes não reagem da mesma maneira nas pessoas — um mesmo perfume pode gerar uma sensação negativa em determinada pessoa, e passar despercebido por uma outra —, as peles se adaptam diferentemente a eles, de acordo com seu biotipo.

Se você já usou o perfume de uma amiga esperando que ele durasse por horas, ou que tivesse uma fragrância específica e se decepcionou, podemos explicar.

Peles secas costumam fixar menos os compostos dos perfumes, fazendo com que o líquido evapore de forma mais rápida. Dependendo da composição da pele, que vai desde fatores genéticos até os hábitos alimentares, os elementos do perfume vão reagir com ela manifestando diferentes traços da fragrância.

Peles oleosas conseguem reter mais os compostos do perfume, proporcionando maior durabilidade, e também agregando o aroma natural do corpo, criando, assim, novas tonalidades de odores.

O suor também é um fator a ser considerado na hora de escolher um perfume. Uma pessoa que transpira menos vai conseguir manter o perfume mais próximo da fragrância do frasco do que uma que transpira em maior quantidade.

No verão e no inverno

A temperatura do ambiente também influencia diretamente o resultado final do perfume na sua pele. Um corpo mais quente vai fazer com que o perfume evapore mais rapidamente, revelando as notas mais internas.

Por isso, muita gente acaba optando por fragrâncias diferentes em ambas as estações, sendo mais frescas e sutis no verão, e mais adocicadas e intensas no inverno.

Saber combinar os aromas dos perfumes com demais produtos, como hidratantes e desodorantes, facilita a criação de uma harmonia de perfumes sem excesso no corpo.

PUBLICIDADE


Patrocinador
Loading...
PUBLICIDADE
(Imagem ilustrativa/Divulgação)

Por que apartamentos compactos fazem sucesso no mercado imobiliário

(Imagem ilustrativa/Pixabay)

Por que temos tanto medo de novidades? Veja a opinião de psicólogos