em

ONU comemora abertura da fronteira para venezuelanos

Imigrantes venezuelanos - mcamgo_abr_0305181995_1
Imigrantes venezuelanos. Foto: Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil

A Organização das Nações Unidas (ONU), por meio do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), comemorou a abertura da fronteira brasileira para a entrada de imigrantes venezuelanos. Em nota, divulgada no site da entidade, informa que “assustado com a imigração massiva”, o estado de Roraima fechou o território para os vizinhos.

Pelos dados do Acnur, cerca de 117 mil venezuelanos pediram refúgio ao governo brasileiro desde 2017.

O porta-voz do Acnur, William Spindler, elogiou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de determinar a abertura da fronteira para os venezuelanos. “O Acnur celebra a decisão do Supremo”, disse.

Em Genebra, Spindler afirmou que os venezuelanos chegam ao Brasil em busca de segurança. Mais de 200 venezuelanos não puderam finalizar o ingresso em território brasileiro, segundo o porta-voz, em decorrência do impasse envolvendo a fronteira na região de Roraima.

De acordo com Acnur, o Brasil reúne mais de 32,7 mil solicitantes de pedidos de refúgio, enquanto 25 mil já obtiveram autorização para permanência legal no país.

Indígenas

O porta-voz ressaltou que boa parte dos venezuelanos é formada por indígenas, que estão em situação vulnerável devido à falta de alimentos e condições de sobrevivência.

Spindler citou o exemplo do líder comunitário de Warao, Eligio Tejerina, de 33 anos, cujo filho caçula está com pneumonia. O indígena tem cinco filhos e disse que todos estavam passando fome na Venezuela.

“Decidimos vir para o Brasil porque nossos filhos estavam esfomeados”, afirmou. “Eles choravam de fome porque só tinham uma pequena porção de comida”.

Da Agência Brasil




Sugerido por MGID

Loading...



Por Agência Brasil

Conteúdo exclusivo da Empresa Brasil de Comunicação (EBC)
http://agenciabrasil.ebc.com.br/

Deixe uma resenha

Mia Vargas Assessoria de Imprensa

Make: O poder que existe a 3000 a.C

Programa garante alimentos a 47 instituições feirenses

Programa garante alimentos a 47 instituições feirenses