em

“Oeste da Bahia preserva mais de 4 milhões de hectares de cerrado”, aponta Embrapa

O percentual é 2,5 vezes maior do que o exigido pelo Código Florestal – 20%

Foto: Divulgação

No Oeste da Bahia, mais da metade da área dos imóveis rurais é destinada à preservação da vegetação nativa local. A região está no bioma Cerrado e corresponde ao BA do Matopiba, acrônico da área de expansão da agricultura no Brasil formada por partes dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. A extensão de terras reservadas pelos produtores locais para a preservação foi estimada pela Embrapa Territorial a partir da análise dos dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR), a pedido do Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa).

Nos 32 municípios avaliados, a mancha verde dos espaços reservados à preservação do Cerrado dentro das propriedades recobre mais de quatro milhões de hectares, o que equivalente a 52% do espaço total dos imóveis. O percentual é 2,5 vezes maior do que o exigido pelo Código Florestal – 20%.

A área preservada corresponde a 30% do território do Oeste Baiano e é quase 12 vezes maior do que as unidades de conservação e terras indígenas. “É a região da Bahia que mais dedica área à preservação da vegetação nativa”, garante o que chefe-geral da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda. Ele apresentou os dados durante o Fórum do Canal Rural realizado em 29 de maio, em Luís Eduardo Magalhães, BA.

Com produção concentrada no Oeste, a Bahia respondeu, na safra 2016/2017 por cerca de 23% da produção brasileira de algodão. O estudo da Embrapa também avaliou os dados do CAR das 132 propriedades com cotonicultura na região. Elas também preservam mais do que o exigido pela legislação. A área destinada à vegetação nativa é próxima de 40% – mais de 220 mil hectares.

O estudo da Embrapa Territorial ainda calculou o valor do patrimônio imobilizado pelos agricultores nas áreas de reserva legal. As estimativas apontam pelo menos R$ 11 bilhões em terras não cultivadas. Miranda aponta que, se fossem utilizadas na produção, seriam mais valorizadas. “Se essa terra hoje fosse manejada, o valor seria de 26 bilhões de reais”, analisa. (Assessoria de Imprensa Embrapa Territorial)

Mapeamento oeste da Bahia_Embrapa Territorial
Foto: Divulgação




Por Conteúdo Abapa

Conteúdo fornecido pela Associação Baiana dos Produtores de Algodão - ABAPA

Deixe uma resenha

Sugerido por MGID

Loading...

Publicidade

Dani Sperle

Está desanimada para Copa? Dani Sperle elege os jogadores mais gatos para você ficar de olho nos jogos

samsung, smartphone-1283938_1280

Samsung apresenta Galaxy J6 e J4 no Brasil