Oeste da Bahia bate recorde de produtividade graças a forte investimento de irrigação
Siga nossas redes

Busque no site

Publicidade

Notícia

Oeste da Bahia bate recorde de produtividade graças a forte investimento de irrigação

Região possui mais de 15% das áreas irrigadas por pivô central no país e fechou safra de 2022/2023 com produção média acima da nacional. De olho nesse potencial, 18ª edição da Bahia Farm Show traz uma série de novidades no campo da irrigação: uma delas é a tecnologia pivô corner, voltada para terreno com bordas irregulares

Leitura: 4 minutos

Leitura: 4 minutos

Presente em quase dois milhões de hectares (1,92 milhão), o sistema por pivô central é hoje o método de irrigação mais utilizado no Brasil, sendo usado em mais de 55% das áreas de agricultura irrigada do país. Boa parte dessas terras está num dos maiores polos brasileiros de irrigação: o Oeste da Bahia. Para se ter uma ideia, desses quase dois milhões de hectares cobertos por pivôs, 15,3% estão em território baiano, segundo o Mapeamento Atualizado da Agricultura Irrigada por Pivôs Centrais no Brasil, um estudo produzido pela Agência Nacional das Águas (ANA), com dados de 2022.

De olho nesse potencial, a 18ª edição da Bahia Farm Show que segue até o próximo dia 15 de junho (sábado), trazendo uma série de novidades tecnológicas no campo da irrigação agrícola. Um exemplo é o Custom Corner 9500CC Zimmatic, equipamento que usa o sistema de pivô corner, desenvolvido para proporcionar o máximo de aproveitamento das áreas, especialmente em terrenos com bordas irregulares. 

Quem irá apresentar a novidade na feira, que será realizada no município de Luís Eduardo Magalhães, é o Grupo Pivot, rede com atuação nos estados da Bahia, Goiás, Minas Gerais e Tocantins, e uma das líderes nacionais na comercialização de maquinários agrícolas e sistemas de irrigação. De acordo com João Morais, gerente da unidade da Pivot em Luís Eduardo Magalhães, o Custom Corner 9500CC é um sistema desenvolvido pela multinacional  americana Lindsay, detentora das marcas Zimmatic™ e FieldNET, que trouxe a novidade este ano para o Brasil. “A principal inovação desse sistema é a existência de um  ‘braço extra’ ajustável, que pode cobrir bordas de terrenos irregulares ou com obstáculos, ampliando a área irrigada em até 25%”, explica o gerente.

Ele conta que a Pivot estará com um estande ainda  maior este ano, para abrigar uma estrutura demonstrativa desse novo equipamento de irrigação por pivô central. João Morais também destaca o enorme potencial da agricultura irrigada no oeste baiano. “Nos últimos três anos essa região tem sido nossa maior compradora de sistemas e peças de irrigação, isso muito em função de seu grande potencial para agricultura irrigada, principalmente para culturas como soja e algodão”, destaca o gerente. 

Alta produtividade
E parece que o investimento em tecnologia de irrigação tem dado muito certo para a região, é o que indica os números da última edição do Anuário da Região do Oeste da Bahia – Safra 2022/2023, elaborado pela Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba). De acordo com o documento, o último ciclo foi encerrado com excelentes números, tanto para a soja quanto para o algodão. Começando pela produção de soja: os dados da última safra chegaram próximo de 8 milhões de toneladas, um acréscimo de 7,5% em relação ao ciclo de 2021/2022. Outro número destacado no anuário é o da produtividade: na safra 2022/2023, a média de produção foi de 67 sacas por hectare, uma elevação de 4,5% em relação ao ciclo anterior, atingindo a melhor média de todo o Brasil. Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produtividade média no país ficou próxima de 58 sacas de soja, ou seja, a média baiana está 12% superior à nacional. 

Quanto ao algodão, outra cultura forte na região, o ciclo 2022/2023  também fechou com recorde em média de produtividade. Nos 312,6 mil hectares de lavouras ocupadas com a commodity, a Bahia produziu, aproximadamente, 615 mil toneladas de algodão beneficiado (pluma), com produtividade de 1.968 quilos de pluma por hectare. ”Sem dúvida o investimento em irrigação, por parte dos produtores, tem sido o grande diferencial para o crescimento exponencial da agricultura no oeste baiano. Para se ter uma ideia, mesmo com uma quebra de safra, por conta da irregularidade das últimas chuvas, a região conseguiu manter uma alta produtividade, isso muito em função das propriedades que fazem uso da irrigação. Quem tem, manteve a alta produtividade, especialmente para o algodão, que está com ótimos preços e a expectativa de uma grande colheita. Inclusive, o algodão baiano, segundo os especialistas, é o que oferece hoje a fibra de melhor qualidade no mundo”, destaca o gerente da Pivot.

*Com Agência de Notícias

Veja também

Saúde

Em pesquisa dinamarquesa, programa de um ano de exercícios permitiu ganhos expressivos que compensaram perda muscular posterior; ideal é que atividades físicas sejam praticadas...

Notícia

Na trend, trabalhadores compartilham os benefícios que recebem das empresas

Notícia

Estudo aponta que região da Lagoa Azul, em Porto Seguro, deveria ser transformada em unidade de conservação

Notícia

Bahia inicia emissão nesta terça-feira, (9). Só faltam mais dois estados para todo o país aderir ao documento

Publicidade

Publicidade