em

Mendoza é considerada capital do vinho argentino

Cidade localizada na região de Cuyo, na Argentina, é famosa pela produção de Malbecs e outros vinhos tintos

(Imagem ilustrativa/Freepik Premium)
(Imagem ilustrativa/Freepik Premium)

Responsável por cerca de 70% da produção de vinhos da Argentina, a cidade de Mendoza é conhecida como a capital do vinho no país. Por ser uma região com muitos vinhedos e vinícolas, é uma das áreas mais significativas para as Américas e está sempre em destaque entre os primeiros produtos de vinho em todo o mundo. 

Assim como no Brasil há a região do Vale dos Vinhedos, na Serra Gaúcha, para quem gosta de vinhos e se encanta pelo enoturismo, Mendoza deve estar na lista de próximos destinos para uma viagem no período pós-pandemia. A região fica próxima a Cordilheira dos Andes e, por isso, traz um cenário belíssimo e ideal para fotografar. Apesar da beleza natural, a expansão da cidade começou após um terremoto em 1861, quando a Mendoza passou por uma reconstrução e foi reprojetada para sobreviver a outros possíveis terremotos, se transformando em um ambiente seguro tanto para os moradores quanto para turistas de todo o mundo. 

Devido ao clima, a região de cultivo e os investimentos nos vinhedos, com recursos tecnológicos, com o objetivo de melhorar o cultivo, fermentação e comercialização da bebida, além de suas características únicas, o sucesso dos vinhos argentinos tem crescido exponencialmente mundo afora. 

Atualmente, os vinhos mais conhecidos de Mendoza são produzidos pela Catena Zapata, vinícola famosa pelos seus vinhos com boa estrutura e alta complexidade. Contudo, a cidade possui muitas vinícolas que valem a pena, especialmente as que são abertas à visitação e degustação, proporcionando experiências particulares e únicas de harmonização, como Achaval Ferrer, Bodega Norton, Susana Balbo, Bodega La Azul e Casarena, por exemplo. Para facilitar o turista, Mendoza possui o Bus Vitivinícola, um serviço de ônibus específico para visitar e degustar vinhos das vinícolas de Luján de Cuyo, Maipú e Vale de Uco. 

“Os vinhos tintos argentinos de destaque são produzidos especialmente a partir das uvas Malbec, mas também há grandes produções a partir do Cabernet Sauvignon”, explica Eric Ferreira, fundador da Del Vino Wine Club, escola que organiza cursos de vinhos e confrarias. Já para os vinhos brancos, a uva Chardonnay é mais utilizada. Pensando em expandir ainda mais a produção, a região tem feito experiências com outros tipos de uvas, como Bonarda, Pinot Noir, Merlot e Sauvignon Blanc. 

Além dos vinhedos e vinícolas, a cidade possui ruas espaçosas, prédios baixos e muitas praças ao redor da praça principal: Plaza Independencia, que em seu subterrâneo abriga o Museu Municipal de Arte Moderna, além de ser próxima ao luxuoso e tradicional hotel da cidade, o Hotel Hyatt, e do casino Regency. Os turistas podem também visitar feiras de artesanatos e a rua  “Paseo Peatonal Sarmiento”, que abriga inúmeras lojas e cafés. Aos turistas mais chegados a passeios com aventuras, na cidade é possível praticar rafting, escaladas e trilhas, por exemplo.

Avalie o conteúdo

(Foto: Sesab)

Bahia registra 3.936 novos casos de Covid-19 e mais 98 óbitos pela doença

(Fotos: Carol Garcia/ GOVBA)

Governo da Bahia mantém mesma alíquota de cobrança de ICMS sobre preço de combustíveis há quatro anos