Combate ao bicudo manteve produtividade e rentabilidade do algodão da Bahia na safra 2019/20
Siga nossas redes

Busque no site

Publicidade

Notícia

Combate ao bicudo manteve produtividade e rentabilidade do algodão da Bahia na safra 2019/20

Em 2020, para garantir ainda mais adesão dos produtores, a Abapa fortaleceu a Campanha “Não ao Bicudo”

Leitura: 5 minutos

País de clima tropical e com terras férteis e abundantes. Essa vantagem estratégica na produção de alimentos e de fibra seria completamente perdida sem o avanço tecnológico em fitossanidade. No caso do algodão da Bahia, a manutenção da produtividade e a qualidade da última safra, no ciclo 2019/20, estiveram diretamente relacionadas à prevenção e combate ao bicudo. Os técnicos do programa fitossanitário da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) monitoraram a praga em uma área cultivada de 313.566,4 mil hectares de algodão, e no Oeste da Bahia, conseguiram apoiar os produtores a reduzir os danos e os prejuízos causados pela praga, atingindo uma produtividade média de 315 arrobas/hectare.

Distribuídos em 18 Núcleos Regionais de Controle – 15 no Oeste e três no Sudoeste da Bahia – os técnicos percorrem as áreas agrícolas para monitorar as áreas, orientar, conscientizar e sensibilizar os produtores e suas equipes técnicas para a aplicação das melhores estratégias para o manejo desta praga. Em posse dos resultados dos índices BAS (bicudo por armadilha por semana), são produzidos os relatórios e realizados encontros, eventos, tours, presenciais ou remotos, para levar a informação mais atualizada aos produtores.

Programa fitossanitário Abapa - orientação transporte adequado do algodão (Foto: Abapa)
Programa fitossanitário Abapa – orientação transporte adequado do algodão (Foto: Abapa)

Segundo o coordenador técnico do programa fitossanitário da Bahia, o consultor, produtor e pesquisador, Celito Breda, o objetivo é mobilizar e levar a melhor informação para quem eles combatam as pragas com a maior eficiência e com menor custo, com o uso correto de defensivos, reduzindo a proliferação do bicudo e garantindo a rentabilidade na produção. “Avançamos muito, porém temos plenas possibilidades de reduzir, em médio prazo, ainda mais os índices de bicudo e consequentemente o número de aplicações de inseticidas. Precisaremos de mais espírito de coletividade e determinação de nossas equipes e dos produtores”, reforça.

Em 2020, para garantir ainda mais adesão dos produtores, a Abapa fortaleceu a Campanha “Não ao Bicudo”. Com uma nova identidade visual e com uma rede de produtores com a comunicação fortalecida nas redes sociais, as ações se consolidaram com a adesão e respeito ao período do vazio sanitário, que abrange também a eliminação das plantas hospedeiras e tigueras dentro e fora das propriedades neste período de entressafra.

“A equipe do programa fitossanitário também se destacou pela destruição de restos culturais de algodão às margens de estradas e rodovias, possível foco da proliferação do bicudo, e promoção de blitze educativas para orientação para o transporte e envelopamento correto da carga de algodão e derivados, evitando que restos de pluma e caroços se desprendam, tornando-se vetor de proliferação da praga”, reforçou o coordenador do programa fitossanitário da Abapa, Antônio Carlos Araújo.

Para o presidente da Abapa, Luiz Carlos Bergamaschi, o programa é considerado uma referência no Brasil pela união e mobilização dos produtores por meio dos núcleos de algodão, que se comprometem a seguir de forma organizada, eficiente e responsável, um plano técnico com medidas eficazes de monitoramento e controle de pragas. O projeto, segundo ele, vem minimizando o impacto negativo provocado pelas pragas e doenças na qualidade e produtividade da fibra.

“Há 15 anos, desde que foi criado, o programa fitossanitário ajuda na melhoria das condições econômicas e socioambientais dos agricultores, possibilitando a sustentabilidade da cultura do algodão na Bahia. Do resultado direto deste trabalho estão: a redução de aplicação de defensivos agrícolas, incremento da produtividade na lavoura, garantia da qualidade da fibra e maior rentabilidade para os agricultores”, reforça. Executado pela Abapa, o Programa conta com o apoio financeiro do Fundo Para o Desenvolvimento do Agronegócio (Fundeagro) e do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA).

Programa Fitossanitário Abapa - destruição de restos culturais (Foto: Abapa)
Programa Fitossanitário Abapa – destruição de restos culturais (Foto: Abapa)

 Programa Fitossanitário da Abapa – Ações estratégicas:

·Reuniões e treinamentos periódicos com os produtores levando informações baseadas no monitoramento e diagnóstico do nível de infestação subsidiando a adoção do manejo correto de doenças e pragas no campo;

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Quer anunciar? Clique aqui

·Formação e estímulo de uma rede de compartilhamento de informações com produtores líderes nos núcleos agrícolas

·Mobilização para destruição de soqueira e tigüeras durante o período do vazio sanitário e eliminação de restos culturais à beira das estradas vicinais e rodovias;

·Sensibilização junto aos motoristas para a armazenagem e o transporte correto de algodão e derivados, para que evitam o desprendimento de restos da pluma na rodovia e a consequente proliferação do bicudo;

·Instalação e monitoramento de armadilhas para medir o índice Bas (bicudo/armadilha/semana);

·Reuniões de diagnóstico e análise dos dados relacionados às doenças e pragas nas áreas produtivas, auxiliando os produtores e o poder público na tomada de decisões.

·Apoio operacional e logístico às pesquisas com foco no controle e combate a doenças e pragas do algodão de instituições como Embrapa, Universidade de São Paulo (Usp – Esalq), Uneb, Ufob,  Aiba, Fundação Bahia, dentre outras.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Quer anunciar? Clique aqui

Fonte: Abapa

*Com Agência de Notícias

Veja também

Saúde

Em pesquisa dinamarquesa, programa de um ano de exercícios permitiu ganhos expressivos que compensaram perda muscular posterior; ideal é que atividades físicas sejam praticadas...

Notícia

Na trend, trabalhadores compartilham os benefícios que recebem das empresas

Notícia

Estudo aponta que região da Lagoa Azul, em Porto Seguro, deveria ser transformada em unidade de conservação

Notícia

Bahia inicia emissão nesta terça-feira, (9). Só faltam mais dois estados para todo o país aderir ao documento

Publicidade

Publicidade