(Imagem: Artur Viana / Auditório Bernardino de Souza)
em

Instituto Geográfico e Histórico da Bahia promove tour virtual gratuito durante a quarentena

Visual e informativa, a experiência mostra detalhes decorativos, acervos e curiosidades sobre as obras expostas

A recomendação por causa da pandemia é não sair de casa. Por causa disso, muitos museus e lugares históricos fecharam as portas temporariamente, como é o caso do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, que fica no bairro de Piedade, em Salvador. A medida de reclusão social adiou os planejamentos de viagens de muitas pessoas e, com isso, a solução para quem já tinha reservado passagem para conhecer a cidade e seus inúmeros lugares históricos – incluindo o instituto – ou para quem tem vontade, mas não sabe quando poderá ir até lá, é visitar à distância, através do tour virtual gratuito, que já está disponível.  

(Imagem: Artur Viana / Auditório Bernardino de Souza)
(Imagem: Artur Viana / Auditório Bernardino de Souza)

A experiência foi promovida pelo IGHB, com o apoio da Secretaria da Cultura do Estado da Bahia, e o tour digital foi desenvolvido e produzido pela Bahia View 360. A iniciativa reúne fotografias captadas por Henrique Muccini e apresenta os corredores e as curiosidades do acervo do instituto. Com o auxílio de um controle de comando de direção e setas que indicam percursos, conforme a interação dos usuários, é possível “entrar” em salas e auditórios, “subir” as escadas e visualizar em detalhes de artigos e decorações dos ambientes. Também há pop-ups informativos sobre as obras e biografias dos personagens – você consegue acessar e ler ao clicar na letra “i”, indicada em cima dos quadros e das esculturas. Todas as fotos possuem uma visão de 360 graus, e, durante toda a navegação no percurso online, toca uma música clássica que os visitantes podem interromper quando quiserem. Para iniciar a experiência virtual, é só acessar www.bahiaview360.com.br/ighb360/

Dentre as opções do tour, há visão e interação com a Biblioteca Ruy Barbosa e com o Arquivo Histórico Theodoro Sampaio, onde estão milhares de títulos e imagens à disposição. É o guardião do Pavilhão 2 de Julho, no Largo da Lapinha, onde ficam os dois principais símbolos da maior festa cívica do país: o Caboclo e a Cabocla, além das oportunidades de ver e explorar a Hemeroteca, o Salão Nobre, o Museu, a vista Cúpula e a imagem do centro de Salvador.

O Instituto, entidade cultural mais antiga do estado da Bahia, fundado em 13 de maio de 1894, completará 126 anos de funcionamento ininterrupto. Classificado como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), o local oferece estudos, cursos, palestras e seminários sobre Geografia, História, Ciências, defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico baiano e brasileiro, entre outras matérias e temáticas do país. Possui a maior coleção de jornais, o maior acervo cartográfico do estado e edita livros e periódicos, como uma revista e um boletim informativo. Além disso, promove congressos sobre Geografia e História da Bahia. 

Avalie o conteúdo

Quase 90% das pessoas acreditam estar muito bem informados sobre a prevenção contra o coronavírus (Imagem: Freepik)

69% dos brasileiros acreditam que o pior cenário da pandemia no Brasil ainda está por vir

(Imagem ilustrativa/Freepik)

Sete dicas para dar banho em cães durante a quarentena