em de

Agrex do Brasil expande área certificada de soja no Brasil

Resultado da parceria com a Fundação Solidaridad e RTRS, a empresa transforma produção de 42 mil hectares de soja em uma cultura responsável e sustentável em propriedades no Mapito e em Goiás

Certificação Reservatório combustível sinalizada - prevenção acidentes. Foto: Divulgação
Reservatório combustível sinalizada – prevenção acidentes. Foto: Divulgação

A Agrex do Brasil vem aumentando a área de produção de soja responsável e sustentável nos estados que integram a nova fronteira agrícola brasileira – Mapito – e em Goiás. Somente este ano foram certificados um total de 42 mil hectares de soja que seguem os padrões de Sustentabilidade da Associação Internacional da Soja Sustentável (RTRS, por suas siglas em inglês). Com o processo iniciado em 2012, quando certificou uma área de 20 mil hectares, a Agrex foi a pioneira a seguir os princípios e critérios para tornar a soja uma cultura responsável e sustentável com a certificação RTRS no Maranhão, Tocantins e em Goiás.

Apoio e relacionamento com povoados vizinhos à propriedade. Foto: Divulgação
Apoio e relacionamento com povoados vizinhos à propriedade. Foto: Divulgação

Desenvolvido por diversos agentes internacionais, a certificação RTRS segue pilares que defendem: práticas agrícolas adequadas, responsabilidade ambiental, condições de trabalho e relações comunitárias responsáveis, cumprimento legal e boas práticas empresariais. Ao tornar a produção responsável, o gerente de Sustentabilidade da Agrex, Ismael Carlos Trevisan, aponta maior eficiência econômica nos processos de gestão das propriedades. “Houve, por exemplo, uma redução do uso de água nas aplicações de agroquímicos, aumento da proteção do solo e diminuição do uso de diesel por tonelada produzida”, destaca.

Curso e treinamento com funcionários. Foto: Divulgação
Curso e treinamento com funcionários. Foto: Divulgação

Além de melhorar a imagem da Companhia, Trevisan ainda conta que a certificação facilitou a inclusão da empresa em novos e exigentes mercados, principalmente na Europa. Conectar e adequar a cadeia produtiva às demandas da União Europeia é o desafio proposto pela Fundação Solidaridad. Por meio de apoio e capacitação, a instituição apresenta estratégias para inserir junto às instituições publicas e privadas o conceito de região de originação sustentável e criação de ambientes favoráveis aos negócios.

Produção de hortaliças. Foto: Divulgação
Produção de hortaliças. Foto: Divulgação

Ao estabelecer parceria com a Fundação Solidaridad, em 2012, a Agrex acelerou a certificação de novas áreas e possibilitou melhorias no atendimento ao padrão de sustentabilidade da RTRS. “Ainda dentro da parceria, estamos iniciando um trabalho na conversão de pastos degradados em lavoura no estado do Tocantins. Temos experiência nesta prática e queremos começar a transferir esta tecnologia de manejo aos clientes”.

Com os benefícios advindos com a produção da soja responsável, a Agrex pretende aumentar ainda mais a área certificada. A previsão é passar para 50 mil hectares em 2016 ao incluir novas áreas do Tocantins. Outro projeto futuro é a certificação das áreas produtivas de clientes de insumos da Agrex. “Entendemos que nossos clientes devem necessariamente seguir as mesmas diretrizes quanto à questão de atendimento a legislação vigente e ao atendimento ao padrão RTRS”, sinaliza.

Sobre a Agrex do Brasil – Nascida com a fusão em 2014 entre a Ceagro e a Mitsubishi Corporation, a Agrex do Brasil é referência em soluções integradas para o agronegócio ao comercializar sementes, defensivos agrícolas, fertilizantes, além de oferecer assessoria técnica em campo e financiamento da produção agrícola. Pretende se tornar referência em gestão e fornecimento de produtos agrícolas, promovendo o desenvolvimento de pessoas e comunidades. Outras informações no site: www.agrex.com.br

Sobre a Fundação Solidaridad – Há mais de 40 anos a Fundação Solidaridad desenvolve parcerias e soluções inovadoras para apoiar agricultores e pecuaristas a produzir mais e melhor, promovendo a transição para uma produção agropecuária mais eficiente em insumos e o uso racional da terra. É uma rede internacional holandesa com nove centros regionais e atuação em mais de 50 países desenvolvendo cadeias de produção sustentáveis em parcerias com produtores, trades, empresas e consumidores. Desde 2011 está no Brasil, com escritório instalado em São Paulo.

Divulgação/Araticum


Comunicar erro



Publicidade

Teste grátis por 14 dias. Se você gostar, assine utilizando o cupom: LC3JQAWPE3XK74E e ganhe 20% de desconto durante 1 ano. Saiba mais em: Conheça o G Suite



Loading...


Da Folha Geral, em Salvador*

*Com colaboração de (agência, assessoria ou especialista)




Fiscais da Adab e PM’s são impedidos de apreender mercadorias em laticínio de Serra Dourada

“Vão ter que me engolir”, dispara candidata a Musa do Grêmio que é atriz pornô