Dados da ABAC (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios) revelam aumento das vendas de consórcios em 2022. Segundo a entidade, no primeiro semestre deste ano foram comercializadas mais de 1,85 milhão de cotas, volume 12% superior ao mesmo período de 2021. O resultado é o melhor já registrado na década.

Uma explicação para o fenômeno pode estar nas taxas de juros elevadas. Reunião realizada ontem (21) pelo Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, decidiu manter em 13,75% a taxa Selic, interrompendo uma sequência de 12 aumentos consecutivos do índice em um esforço para segurar a inflação.  

“O consórcio tem sido uma alternativa para o brasileiro que precisa se planejar para adquirir seus bens. As altas taxas de juros cobradas pelos financiamentos comuns têm afastado os consumidores dessa modalidade de crédito, ao passo que os consórcios, na maioria das vezes, trazem mensalidades que cabem no bolso do cidadão comum”, avalia Fernando Lamounier, diretor da Multimarcas Consórcios. 

Com mais de 60 anos de história, o consórcio é uma modalidade regulada por lei que se tornou uma alternativa para a realização de grandes projetos de alto custo financeiro, como a compra de imóveis, veículos e, até mesmo, a realização de cirurgias plásticas. “O brasileiro tem entendido que o consórcio pode ser uma excelente opção para o planejamento financeiro da família”, afirma Lamounier.

*Colaboração de Press FC