(Imagem/Divulgação)
(Imagem/Divulgação)

Todo brasileiro sabe bem como o PIX veio para revolucionar a forma com que pagamos por produtos e/ou serviços e também como transferimos dinheiro. Este método de pagamento brasileiro criado pelo Banco Central se mostrou muito útil e eficiente ao oferecer transações simples de usar, seguras e instantâneas 24 horas e 7 dias por semana. 

Não demorou muito para que este método fosse adotado como uma forma de pagamento pelas grandes indústrias e marcas no mercado, até mesmo as internacionais, como é o caso das casas de apostas que aceitam pix. Mas, mesmo com toda a sua popularidade meteórica entre os cidadãos brasileiro, será que este é o método de pagamento perfeito como muitos acham?

A resposta é não, não existe método de pagamento perfeito, e neste artigo nós reunimos alguns aspectos no PIX que ainda merecem a atenção de seus criadores para que sejam melhorados.

Quais os problemas que precisam ser melhorados no PIX?

Sabemos bem que o PIX é um método de pagamento muito melhor do que o brasileiro estava acostumado a utilizar, afinal há alguns anos os grandes bancos ofereciam apenas as opções de transferência bancária DOC ou TED, e estas duas opções apresentavam taxas de utilização cobradas por estes mesmos bancos. Além disso, estes tipos de transferências não eram utilizados em transações comerciais como o PIX é atualmente.

Mesmo com o surgimento das fintechs e bancos digitais, que apresentaram uma forma mais prática, barata e eficiente de transferir quantias em dinheiro entre contas, o PIX ainda se destacou por ser ainda mais eficiente e atrativo.

Mas, como nem tudo é perfeito, existem alguns problemas que devem ser revistos nesta ferramenta já amada pelo brasileiro, vamos ver quais são logo abaixo:

Vulnerabilidades de identidade

Sabemos bem que o Banco Central trabalha arduamente na segurança das transações e dos dados de usuários que utilizam o PIX para transações, porém, o elo fraco de todo este sistema é o próprio usuário. Pois, este pode ter os seus dados surrupiados por um hacker ou fraudador que, por sua vez, pode utilizar estes dados delicados para tomar o lugar do usuário e receber transações por ele ou retirar seu dinheiro de uma conta para outra.

O Banco Central está trabalhando em diferentes ferramentas de segurança que possam impedir este tipo de ação.

Chaves de identificação

As chaves de identificação de cada usuário podem ser dados básicos como o número de celular ou o CPF, o que pode ser um prato cheio para fraudadores que possuírem este tipo de dado de um certo número de usuários que o utilizam como chave. 

Um mecanismo de bloqueio geral de uma chave ainda não foi desenvolvido pelo Banco Central, algo que aja como um bloqueio de cartão de crédito, que possa impedir o uso indevido destes dados delicados.

Cancelamento de transações

Uma das principais reclamações de usuários sobre o PIX, é a impossibilidade de cancelar uma transação uma vez que foi confirmada. Pois, em alguns casos, o cancelamento poderia ser útil para reaver dinheiro roubado em fraudes ou até mesmo por algum erro de digitação.

Esta é uma característica do PIX que o Banco Central não demonstrou nenhum movimento para mudar, o que deixa o usuário à mercê do recebedor, que pode ou não devolver o dinheiro transferido por engano.

Concluindo

Mesmo com os problemas que apontamos neste artigo, o PIX é a melhor ferramenta de pagamentos que o brasileiro possui, está sendo utilizado tanto por pessoa física quanto por empresas, trazendo diversas vantagens.

Nax - Conteúdo colaborativo*

*Colaboração especial para o Folha Geral. O conteúdo é de inteira responsabilidade da autora