em

42% dos brasileiros entrevistados têm a intenção de pedir empréstimo no primeiro trimestre

Pesquisa aponta também que o desejo de tomar crédito para investimento e compras atingem os maiores patamares dos últimos seis meses

(Imagem ilustrativa/Pexels)

Em todo começo de ano é comum que os brasileiros tracem metas pessoais e financeiras para o ano que está por vir. Em 2022, não foi diferente. Quitar a dívida, adquirir um negócio próprio, cuidar da saúde e até mesmo fazer algum tipo de investimento está na lista de objetivos para os próximos meses. Após quase dois anos em pandemia, a população ainda procura formas de se adaptar à realidade e traçar novos caminhos para suas vidas e negócios.

A última edição do Índice FinanZero de Empréstimo (IFE), que, no último dezembro, entrevistou 500 pessoas com acesso a internet em todo o Brasil, revelou que 42% dos entrevistados disseram ter a intenção de solicitar empréstimo no primeiro trimestre de 2022. Destes, 44% afirmaram que o principal motivo é a quitação de dívidas, um aumento de mais de 5% em relação a novembro do ano passado.

Com novas perspectivas, uma parcela dos brasileiros entrevistados disse que tem a intenção de tomar crédito para realizar vontades que haviam sido adiadas, como a renovação da casa, com 26,17%. Depois de meses tendo que fazer uso do próprio lar como local de trabalho ou de estudos, muitos queriam renovar e trocar as mobílias para ter a sensação de algo novo, assim como o ano que se inicia.

Em seguida, aparece a solicitação de empréstimo para abertura de um negócio próprio, com 24,77%, pois há também quem passou os últimos meses analisando o mercado, procurando uma oportunidade para investir, seja em um negócio próprio ou não, pretendendo pedir empréstimo para dar início ao empreendimento.

(Imagem ilustrativa/Pexels)
(Imagem ilustrativa/Pexels)

Intenções de empréstimo direcionam para um novo caminho

Além da preocupação com o pagamento de dívidas e as outras razões mencionadas, outro dado chama atenção: entre as intenções de tomada de empréstimo para os próximos três meses, destacam-se investimento (22,43%) e compras (21,03%), que atingiram a maior alta desde julho de 2021. De olho na organização e com o objetivo de fugir do endividamento, muitos optam pelo pedido de empréstimo para investir e estruturar as finanças. Com os investimentos em alta, os empréstimos para esta modalidade também tendem a crescer nos próximos meses, visto as novas perspectivas no mercado e o aumento no fluxo de investimentos externos no país, que, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), atingiu US$ 58 bilhões no ano passado, uma alta de 104% se comparado a 2020.

O crescimento dessa porcentagem de investimento ainda em 2021 explica o fato de novas intenções de empréstimo estarem surgindo frente a quase 24 meses de incertezas econômicas. “Agora com a vacinação em massa e a reestruturação da economia, os brasileiros estão enxergando oportunidades para tirar as metas do papel e investir em novos negócios. Vamos conseguir observar o aumento e as consequências positivas desse movimento nos próximos meses”, comenta Cadu Guidi, sócio-diretor de marketing da FinanZero.

Pesquisas por empréstimo aumentam 24% nas buscas do Google

Ainda segundo o Índice FinanZero, em dezembro de 2021, as buscas por empréstimo no Google cresceram 24% em relação ao mesmo período do ano anterior e acumulou alta de 26,6% no ano passado, ante 2020. Após pesquisas e mudanças de hábitos por parte da população, a participação das buscas por empréstimos em fintechs teve aumento de 25%, em relação à média verificada no mesmo período de 2020.

Mesmo com o crescimento, os bancos tradicionais continuam como a principal opção, mas isso tende a mudar. 67,8% dos brasileiros preferem solicitar crédito de maneira totalmente digital, enquanto 42% preferem fazê-lo em uma agência bancária física. Isso resulta em uma nova porta de possibilidades para os serviços prestados pelas fintechs.

(Imagem ilustrativa/Pexels)

Exames de imagem podem contribuir para diagnóstico precoce e preciso de doenças

(Foto: Sesab)

Bahia registra 30.018 casos ativos de Covid-19 e 54 óbitos pela doença