em

Reserva de emergência: como começar e qual opção escolher?

CDBs, FIs e Tesouro Selic são boas opções para quem busca segurança e liquidez

Ilustração. Foto: Arquivo Folha Geral/Freepik

É normal as pessoas passarem por tempos de incerteza. Perder um emprego, ter uma doença grave ou precisar reformar a casa são situações imprevisíveis que podem atingir qualquer um. A pandemia, por exemplo, causou a falência de vários negócios, demissão em massa, mortes… Enfim, uma enxurrada de coisas inesperadas.

Nessas horas, é muito importante contar com uma reserva de emergência, o dinheiro guardado que as pessoas podem utilizar em tempos de dificuldade financeira. Os ativos de uma reserva de emergência tendem a ser em dinheiro ou outros ativos altamente líquidos, reduzindo a necessidade de recorrer a dívidas com juros elevados, tais como cartões de crédito ou empréstimos.

O montante ideal para uma reserva de emergência depende de vários fatores, incluindo sua situação financeira, despesas, estilo de vida e dívidas. Muitos especialistas em finanças recomendam economizar o suficiente para cobrir despesas de três a seis meses, o que pode ajudar a cobrir as despesas básicas, como aluguel, alimentação, água e luz. No entanto, outros defendem uma reserva de até um ano.

Começar cedo é a chave para estabelecer uma boa reserva de emergência; afinal, há mais chances de você conseguir poupar uma boa quantia. É fácil dar o primeiro passo. Uma opção é separar uma parte do seu salário a cada mês. Calcule seu custo de vida para o período desejado e faça disso sua meta, ou ainda guarde a restituição do seu Imposto de Renda.

Você, provavelmente, vai querer deixar sua reserva de emergência em um lugar onde ela possa ser facilmente liquidada, caso surja uma necessidade financeira repentina. Embora a renda fixa, como a conta-poupança, seja a opção mais segura, existem outras maneiras de armazenar uma parte da sua reserva que oferecem maior potencial de ganho de juros. 

Certificados de Depósito Bancário (CDBs), Fundos de Investimento (FIs) e Tesouro Selic são boas opções para quem procura segurança e liquidez. Você terá o acesso de que precisa em uma emergência, mas não incorrerá em taxas e atrasos associados a outros veículos, como contas de corretagem.

É recomendado criar uma reserva de emergência antes de se aventurar em veículos de investimento voláteis, como ações. Embora ofereça maior potencial de crescimento de longo prazo, seu valor pode diminuir repentinamente no caso de uma desaceleração econômica, como a crise econômica de 2020 deixou claro. Uma reserva de emergência protege sua carteira contra esse risco.

*Este post foi criado por um colaborador. Envie seu post!

Avalie o conteúdo