em

As eleições americanas impactam a economia brasileira?

A vitória do democrata Joe Biden representa uma forte mudança no foco das políticas adotadas nos Estados Unidos. Confira o que muda na economia do Brasil a partir de agora

(Imagem ilustrativa/Freepik Premium)

Sem dúvida alguma as eleições americanas foram um dos principais assuntos das últimas semanas não somente aqui no Brasil, mas ao redor de todo o mundo. Afinal, a escolha do presidente da nação mais importante para a economia mundial possui impacto direto nos fundos de previdência e em outros mercados, como o das ações.

A demora para o final da apuração e as dúvidas sobre quem assumiria o cargo geraram uma verdadeira tensão, tanto entre os investidores quanto entre os eleitores do próprio país.

Isso porque é de conhecimento geral que a mudança de presidente e a adoção de novas políticas podem ter forte impacto em diversos setores da economia.

Nesse cenário, o democrata Joe Biden foi eleito e promete trazer grandes mudanças para os Estados Unidos. Com planos totalmente contrários do atual presidente Donald Trump, a tendência é que a economia do país passe por reformas no próximo ano.

Sendo assim, o contexto mundial já começa a se transformar também, inclusive aqui no Brasil. Acompanhe abaixo as principais mudanças que as eleições americanas trarão para a nossa economia!

(Imagem ilustrativa/Freepik Premium)
(Imagem ilustrativa/Freepik Premium)

O cenário das eleições norte americanas

Que as decisões tomadas durante o mandato de Donald Trump foram questionáveis não há dúvida alguma.

Afinal, o atual presidente mudou radicalmente o antigo formato adotado por Obama, líder anterior. Sendo assim, o período de adaptação estadunidense foi grande, bem como as mudanças implementadas bastante significativas.

Nesse sentido, a vitória de Joe Biden também vem para causar transformações, bem como a mudança de representantes dentro da câmara norte americana.

Isso acontece em grande parte por conta das novas pautas trazidas pelo presidente eleito, que tem como principal foco as melhorias na economia para os cidadãos com rendas mais baixas, trazendo políticas mais populistas.

Essa mudança por muito tempo não foi vista com bons olhos aqui no Brasil. Isso porque os economistas enxergam com ceticismo essas novas propostas, que prometem aumentar também as taxas de juros de empresas americanas no exterior.

Isso, por sua vez, pode representar uma queda nas ações, tanto para nós brasileiros quanto para investidores de outros países.

Adaptação do novo presidente em um cenário de pandemia

Há alguns meses os Estados Unidos alcançavam o pico da pandemia dentro do país, com milhares de casos sendo confirmados todos os dias. Os números do país foram alarmantes, sendo considerado até mesmo o epicentro do novo coronavírus no mundo.

Evidentemente os altos números de mortes e casos, acompanhados do isolamento social e da total paralisação dos comércios e empresas representaram uma grande queda para a economia.

As medidas foram necessárias para diminuir o número de casos e mortes no país, porém, colocaram a área financeira do país em um alto risco.

Ações para a retomada da economia

Nesse cenário, Donald Trump iniciou a implementação de medidas para a retomada da economia.

Com foco em diminuir as taxas de desemprego que foram elevadas durante o isolamento, o presidente forneceu financiamento para alguns empresários e adotou diversas medidas emergenciais de apoio aos cidadãos.

A vitória de Biden, por sua vez, nesse contexto pode representar um certo atraso na recuperação da economia estadunidense.

Afinal, o período de adaptação do governo costuma gerar incertezas, assim como períodos menos movimentados para uma compreensão geral do orçamento e do cenário do país.

Por esse motivo, muitos investidores brasileiros estavam torcendo pela vitória de Trump. Afinal, a recuperação das empresas do país estão diretamente ligadas com uma subida nas ações das companhias, o que sempre proporciona períodos de maiores lucros para os acionistas.

O que esperar para os próximos meses?

A vitória de Joe Biden pode até não ter sido a mais esperada pelos brasileiros, mas foi a escolha dos norte-americanos. Nesse sentido, é fato que nos próximos meses a economia brasileira também sofrerá com as consequências dos últimos momentos de Trump na presidência.

Nesse sentido, como citamos anteriormente, é necessário ter em mente que o início de 2021 será marcado por uma economia mais parada e com poucas oscilações.

Afinal, enquanto o novo presidente entende o cenário em que está assumindo o país, as políticas públicas implementadas por Trump serão congeladas ou se manterão com pouco avanço.

Depois, quando os projetos do novo presidente começarem a entrar em vigor será necessário se manter atento em todos os momentos.

Isso porque, ao passo que as medidas trazidas por Donald serão congeladas, os caminhos assumidos por Biden também possuirão potencial para proporcionar melhorias.

Sendo assim, é preciso ter cautela para não adotar um posicionamento muito rigoroso. Afinal, políticas com foco populacionistas tendem a aumentar o poder de compra dos cidadãos, o que sem dúvidas também pode ser bastante positivo para o mercado, principalmente para os empreendedores da área do comércio.

Da Redação, com agência*

*Com Agência de Notícias
Envie seu conteúdo para análise editorial: redacao@folhageral.com.br
Conheça as condições em https://www1.folhageral.com/termos-e-condicoes

(Foto: Ascom Aiba)

Plantio de soja avança no Oeste da Bahia

(Foto: Reprodução)

De quais maneiras a Reforma da Previdência afetou a aposentadoria pública?