em

Cartões de crédito para pré-adolescentes: pais visam à educação financeira

Cartões adicionais para os filhos são uma maneira de ensiná-los sobre a importância de controlar os gastos, e as consequências da falta de gerenciamento financeiro

Imagem ilustrativa (Freepik)(Imagem ilustrativa/Freepik)

O planejamento financeiro de uma família, para não enfrentar despesas extras e problemas com as temidas dívidas, deve incluir uma supervisão dos gastos dos filhos. O controle financeiro deve ser observado de perto, uma vez que crianças e pré-adolescentes estão se familiarizando, cada vez mais cedo, com as compras feitas pelo cartão de crédito.

Um dos fatores que colabora para que esse público esteja se transformando em consumidores mirins é a facilidade de adquirir produtos pelo meio virtual. As crianças aprendem a dominar a navegação em sites de compras com facilidade e, se tiverem acesso ao cartão de crédito dos pais, não encontram dificuldade em comprar o que desejam.

O grande problema desse hábito recentemente adquirido pela criançada é a falta de noção de que aquela compra, ou uma sequência de compras, pode comprometer totalmente as finanças da casa. Isso cria a necessidade de que pais ou responsáveis conversem com seus filhos sobre a importância e os cuidados que se deve ter ao consumir na Internet no mundo real.

Dicas de educação financeira para os filhos

A conversa para educar seus filhos sobre como ter uma boa gestão financeira, que não comprometa a renda familiar, inclui, primeiro, uma definição do quanto a molecada pode gastar por mês. Uma forma tradicional de se implementar essa etapa são as mesadas, na qual os pais dão, mensalmente, um valor em dinheiro para que a criança compre o que quiser com ele.

As mesadas estão sendo substituídas, no entanto, por cartões de créditos, criados especialmente, para este público. Hoje, já é possível encontrar bandeiras de cartões que oferecem um adicional para dependentes a partir de 12 anos de idade.

Esses cartões apresentam algumas vantagens. Por um lado, dão aos pré-adolescentes uma sensação de independência, permitindo que eles possam fazer suas compras na Internet. Por outro lado, o titular da conta consegue definir o limite de despesa do cartão e determinar quando ele será bloqueado, a fim de evitar que se ultrapasse um teto de gastos.

Além de definir um limite do que se pode gastar, o cartão adicional também oferece aos pais a chance deles conferirem o que seus filhos estão comprando. Isso é uma forma de monitorar não apenas os gastos, mas também o tipo de site que as crianças estão visitando.

Com o cartão, o pré-adolescente pode entender, desde cedo, qual é o seu poder de compra e como ele deve gerenciar seus gastos para que não ultrapasse o limite estabelecido. Dessa maneira, ele pode aprender as consequências de gastos descontrolados, compras não planejadas e de como isso interfere em toda a economia familiar.

A opção de compra pelo cartão também oferece a oportunidade de outro ensinamento para os filhos: as responsabilidades de um parcelamento. O método de pagamento faz com que elas tenham a possibilidade de comprar algum item de valor mais alto, mas devem entender que uma compra como essa deve ser planejada e que irá ter consequências nos meses seguintes.

Durante todo esse processo, o importante é sempre conversar com os filhos e educá-los para que eles não criem hábitos de consumo que podem resultar em dívidas. Fale com eles sobre a realidade de outros gastos da família, como comida, luz, água, Internet, e discuta com os pequenos sobre como suas atitudes podem interferir no equilíbrio da saúde financeira da casa. Caso a situação saia do controle, não pense duas vezes em bloquear o cartão dos filhos e tomar decisões mais duras.

Da Redação, com colaboração*

Envie seu conteúdo para análise editorial: redacao@folhageral.com.br
Conheça as condições em https://www1.folhageral.com/termos-e-condicoes

(Imagem ilustrativa/Pixabay)

Coronavírus: Faculdade à distância? Saiba 5 erros que atrapalham o seu rendimento em casa

(Foto: Divulgação)

Confira qual é o legado de Jack Welch, tido como o gestor do século pela Fortune