em

Dicas culturais do universo LGBT que você não pode perder

Seriados com diferentes perspectivas sobre a temática LGBT são uma ótima opção para quem está na quarentena

(Imagem ilustrativa/Pixabay)

Pandemia, isolamento social, quarentena: com a disseminação da Covid-19 em todo o mundo, essas palavras, antes restritas a cientistas e profissionais da área da saúde, tornaram-se vocábulos recorrentes entre a população mundial que, agora, acompanha o passar dos dias da janela de casa.

Até 5 de maio, a atual pandemia, considerada a pior do último século, já havia contaminado mais de 3,6 milhões de pessoas e matado cerca de 257 mil em todo o planeta.

Países como Coreia do Sul, China e França começam a retomar, paulatinamente, as atividades suspensas pela pandemia, enquanto outros territórios continuam com o distanciamento social para reduzir a disseminação da doença.

Esse contexto tornou o distanciamento social um cotidiano obrigatório para reter o contágio do novo coronavírus. Assim, com a quarentena, milhões de pessoas passaram a trabalhar, ver shows, rever amigos e comprar produtos básicos por meio da Internet.

Filmes e seriados ganharam ainda mais força durante o confinamento, quando as pessoas devem permanecer em casa a fim de reduzir a taxa de disseminação do vírus. Se você quer conhecer novas opções, confira dicas de produções do universo LGBT para acompanhar nas redes durante a quarentena.

Pose

Disponível na plataforma Netflix, essa série mostra a ascensão da cultura de luxo e do surgimento de baladas LGBT em Nova Iorque, no final dos anos 80. A história mostra Blanca, uma mulher transgênero que descobre ser portadora do vírus HIV. Ela abriga jovens LGBT que foram expulsas de suas casas pelo preconceito com sua sexualidade.

Além de retratar uma época fundamental para o movimento LGBT mundial, a série não foca apenas nas dificuldades enfrentadas pelos personagens em função da homofobia, mas mostra os ciclos e as vitórias de cada um.

Outro destaque da série é que ela conta com o maior elenco transexual da história do  audiovisual. Além disso, o produtor Ryan Murphy doará os honorários obtidos com a série para a comunidade transexual.

Com amor, Simon

Esse filme conta a história de Simon, um jovem gay de 17 anos, cuja família corresponde aos estereótipos retratados nos filmes dos Estados Unidos e valoriza a heteronormatividade. Desde os 13 anos, ele reconhece ser homossexual, mas não conta para a família e nem para os amigos, já que o tema segue sendo um tabu.

Sem conseguir compartilhar isso com as pessoas próximas, Simon começa a trocar e-mails anonimamente com outro menino, por quem se apaixona. Ao manter a identidade escondida, Simon gera um mistério em seu pretendente.

Esse filme é um dos únicos que traz uma comédia romântica homossexual de modo sensível, e não irônico, ambientada em um colégio, mostrando as questões enfrentadas pela comunidade LGBT em frente à sociedade homofóbica.

The Fosters

Essa série traz a história da família multirracial, com filhos adotivos e biológicos, da policial Stef e da diretora de escola Lena, casal de lésbicas que vivem nos Estados Unidos. A produção foi lançada em 2013, sendo a primeira a exibir um casal lésbico na TV do país.

Em um momento, Lena conhece Callie, uma jovem problemática, e decide adotá-la. Ao levar a adolescente para morar em sua casa, Lena e Stef percebem que atritos começam a surgir no ambiente familiar, pois, a única preocupação de Callie é resgatar seu irmão caçula Jude, homossexual que é submetido a abusos e agressões físicas por seu pai adotivo.

Além de Callie, a família também adota os gêmeos Mariana e Jesus. Ao tirar os personagens dos espaços heteronormativos, a série mostra como essa família é um laboratório humano, em que as diferenças entre seus membros criam dificuldades, mas, também, permite a construção de vínculos.

Estamos Bem?

Esse podcast é apresentado às segundas-feiras pelos jornalistas Bárbara dos Anjos e Thiago Teodoro, que é homossexual. A proposta do podcast é discutir temas do cotidiano, incluindo os referente à diversidade, de forma sensível e inteligente.

Como lidar com procrastinação, importância da autoaceitação, questões sobre vocação, ensinamentos da comunicação não violenta, responsabilidade afetiva, perigo de rotular outras pessoas, relacionamentos, inseguranças e dicas para gerir o próprio tempo são algumas das temáticas trazidas pela dupla no podcast.

Imagem ilustrativa (Foto: Freepik)

Covid-19: Direito à redução do valor das parcelas das Universidades e Escolas

(Imagem ilustrativa/Freepik)

Novo ‘Homem-Aranha’ e outras obras mantêm data de estreia, apesar da crise do coronavírus