em

Fapepi investiu R$ 6 milhões em apoio à pesquisa científica em 2016

Estado do Piauí atingiu o maior crescimento em pesquisa de toda a sua história

Primeira reunião com instituições locais no núcleo da Fapepi em Oeiras. Foto: Jhussyenna Reis

Avançar em tempo de crise é um desafio em dobro, mas os pesquisadores do estado têm realmente muitos motivos para comemorar. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi) investiu em uma gestão focada nos resultados e os frutos já começaram a ser colhidos nesse ano.

Os investimentos em bolsas, auxílio e projetos mantidos pela Fapepi em 2016 totalizam 6,7 milhões da sua proposta orçamentária. Comparando com a proposta orçamentária de 2015, que foi de 4,7 milhões, fica evidente a evolução de mais de 40% em investimentos em pesquisa científica, tecnológica e inovação.

Foram lançados 10 editais ao longo do ano, sendo que o último permanece em vigor, ou seja, ainda está recebendo propostas. Este trata-se do Programa de Fomento à Pesquisa Científica, Tecnológica e de Inovação do Estado do Piauí. Esse programa tem como objetivo propiciar o financiamento de pesquisas visando o desenvolvimento de ações relacionadas ao projeto de Eficiência Energética e Uso Racional de Energia Elétrica nos órgãos do Poder Executivo do Estado do Piauí.

Os eventos acontecem durante todo o ano, abrangendo diversas áreas do conhecimento. Foto: Arquivo Fapepi

No mês de outubro a Fapepi assinou um Termo de Cooperação Técnica com a Secretaria de Administração e Previdência do Estado do Piauí (Seadprev), que será a primeira instituição estadual a ser beneficiada com o trabalho dos pesquisadores. O papel deles é realizar estudos em eficiência energética e uso racional de energia elétrica, o que vai contribuir diretamente para a redução de consumo e consequentemente dos gastos públicos.

Outra conquista em investimento foi a aprovação pelo Governo do Estado do projeto de Fomento à Inovação e Competitividade. O projeto está orçado em R$ 4.100.000,00 (quatro milhões e cem mil) e tem como frentes de atuação a Difusão do Conhecimento e Cultura de Empreendedorismo, o Apoio à Política de Inovação Estadual, Fortalecimento dos Polos de Tecnologia: Teresina, Picos, Parnaíba e Bom Jesus, e Apoio a Startups.

“Com a aprovação do projeto, nós da Fapepi, assim como os membros da Câmara Setorial, vamos poder dar apoio concreto as iniciativas que já eram auxiliadas indiretamente. O que faltava, era exatamente essa articulação formal entre os setores envolvidos, o Governo do Estado, a academia e o setor empresarial. Agora, será possível alinhar ainda mais nossos auxílios as necessidades da população”, explicou o presidente da Fapepi, Francisco Guedes, que já faz ótimas projeções para o ano de 2017.

Foto: Divulgação Fapepi

Inaugurado primeiro polo da Fapepi no interior

Um dos pilares da Fundação é o desafio de interiorizar, ou seja, levar oportunidades de desenvolvimento científico para os locais de difícil acesso. Um passo importante nesse processo e que marcou o ano de 2016 foi a abertura de um núcleo da Fapepi na cidade de Oeiras. A sede funciona desde o mês de junho deste ano no prédio do Espaço Cidadania, sendo coordenada pela professora Daniele Savana. Através do trabalho já foi possível estreitar laços com as instituições da região, levar ao conhecimento de pesquisadores e estudantes oportunidades de pesquisa que antes pareciam sonhos distantes.

Feiras, visitas escolares e projetos locais foram alguns dos movimentos do núcleo da Fapepi na cidade. A coordenadora Daniele Savana explica que a princípio a ideia era se estabelecer e sondar se havia de fato uma demanda na região. “Nosso trabalho diário foi de aproximação com a população local, de conhecer e sondar as necessidades reais da cidade e circunvizinhança. Encerramos o ano com um diagnóstico positivo em saber que estamos no lugar certo, que aqui desde cedo pudemos contribuir para difusão da ciência”, comentou.
O presidente da Fapepi, que acompanhou cada ação do núcleo ressaltou a importância do incentivo ao interesse pela cultura científica desde criança. “A Fapepi é uma agência de fomento ao desenvolvimento científico e tecnológico do Piauí, sendo assim um canal importante para que o estado explore seu potencial intelectual da melhor maneira possível”.

Popularização da ciência também avançou com eventos científicos

Além das bolsas de apoio à pesquisa, que são os frutos mais desejados da Fundação, merecem destaque os inúmeros eventos científicos, muitos deles, viabilizados unicamente pela participação financeira da Fapepi.

Em 2016, a Fapepi propiciou o aumento no valor disponível para os editais de auxílios a pesquisador através da publicação de dois editais dos programas de Participação em Eventos Científicos e de Organização de Eventos Científicos, no valor R$ 200.000,00 (duzentos mil reais), para cada edital. Como continuidade desta ação, foi publicado mais um edital para o Programa de Auxílio à Publicação Científica, no valor global de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais).

O resultado desses editais foi o financiamento de: 56 eventos científicos, a maioria realizada no interior do estado; a participação de 106 pesquisadores em eventos fora do Estado e do País; e ainda, 29 publicações científicas entre livros e artigos, totalizando 191 auxílios concedidos.

Estudantes e pesquisadores devem, portanto, ficar ainda mais atentos às publicações da Fapepi em 2017, pois os principais editais do ano já estão sendo planejados para lançamento ainda no primeiro semestre. Isso porque é o momento ideal para que os candidatos concorram em tempo hábil e garantam os seus benefícios.

Da Folha Geral, em Salvador*

*Com colaboração de (agência, assessoria ou especialista)

PRF prende em Feira de Santana homem que tentou fugir com carro roubado

Guia orienta profissionais da saúde sobre os procedimentos para o tratamento de Chikungunya