em

Ações na agricultura do DF minimizaram perda hídrica na Bacia do Descoberto

Adequações de procedimentos e mudança de hábitos na área rural foram determinantes para que Brasília passasse pelo período de seca com abastecimento de água

As medidas para uso consciente da água na atividade agrícola foram fundamentais para evitar um colapso no abastecimento do Distrito Federal em 2017. Por meio de recuperação de canais, substituição de sistemas de irrigação e revestimento de tanques de armazenamento, entre outras ações, o volume do reservatório do Descoberto resistiu ao período de seca.

À época da divulgação do plano de enfrentamento da crise hídrica na área rural, em 23 de janeiro, o cenário era de três anos de chuva abaixo da média histórica, somados à forte estiagem entre a segunda quinzena de dezembro de 2016 e a primeira quinzena de janeiro de 2017.

Barragem do Descoberto em 12/1/2018
A Barragem do Descoberto com nível em 37,7% em 12 de janeiro. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

Com menos precipitação, a infiltração de água no solo também ficou prejudicada. Isso fez com que os lençóis freáticos do DF ficassem três metros abaixo do esperado — redução que prejudicou a recarga dos principais rios e córregos que abastecem a bacia do Descoberto.

Assim, teve de ser imediata a resposta à redução progressiva das duas principais barragens do DF, como destaca o presidente da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF), Roberto Carneiro. “A crise tem sido importante para todos nós, população e governo, aprendermos a nos planejar para o futuro.”

De acordo com Carneiro, um ponto bastante reforçado, nesse período, foi a conservação ambiental por parte dos produtores rurais. “A agricultura tem papel fundamental no equilíbrio dos espaços rural e urbano. É ela que mantém a destinação da área, evita o parcelamento irregular do solo e permite a infiltração de água nos lençóis.”

Prioridades para o uso da água na crise hídrica
Desde o agravamento da crise hídrica, a prioridade tem sido o abastecimento humano e a dessedentação — ato de saciar a sede — dos animais, conforme previsto na Resolução nº 13, de 15 de agosto de 2016, da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico (Adasa).

Para a agricultura, ficaram definidos três eixos de atuação conjunta dos órgãos do Executivo:

  • Diminuição da retirada de água nos córregos e ribeirões que abastecem o Descoberto
  • Redução do desperdício hídrico na agricultura
  • Aumento da produção de água, principalmente na Bacia do Descoberto

As medidas adotadas permitiram que os principais afluentes do Reservatório do Descoberto apresentassem melhora na vazão média mensal de 2017 em relação à de 2016, como indicam dados da Adasa.

Vazão média mensal
Afluentes do reservatório do Descoberto Dezembro de 2016 Dezembro de 2017
Descoberto 0,877 m³/ segundo 1,746 m³/ segundo
Capão Comprido 0,162 m³/ segundo 0,114 m³/ segundo
Chapadinha 0,213 m³/ segundo 0,326 m³/ segundo
Olaria 0,082 m³/ segundo 0,118 m³/ segundo
Ribeirão das Pedras 0,948 m³/ segundo 1,362 m³/ segundo
Rodeador 0,874 m³/ segundo 1,25 m³/ segundo

O monitoramento da situação é contínuo, com reuniões semanais entre Adasa, Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural e Emater-DF.

Diminuição da retirada de água nos afluentes do Descoberto

Um dos efeitos da redução em 75% da captação de água por parte dos produtores rurais, estabelecida pela Resolução Conjunta nº 1, de 8 de março de 2017, foi a diminuição de 30% da área plantada na Bacia do Descoberto, de acordo com a Emater-DF. A região é grande produtora de hortaliças e frutas.

A diminuição na retirada de água pelos irrigantes tem o objetivo de aumentar a vazão afluente, ou seja, a quantidade de água que chega ao Descoberto.

Por causa da restrição hídrica, as perdas, somente na região da Bacia do Descoberto, foram de R$ 70 milhões em 2017. A escassez de água resultou em impacto financeiro de R$ 600 milhões em DF, de acordo com a Emater.

A avaliação do titular da pasta da Agricultura, Argileu Martins, é a de que, ainda que as iniciativas tenham sido difíceis, não seria possível enfrentar o problema de outra maneira. “Foi um trabalho muito técnico. As medidas foram eficazes porque reduziram o impacto que uma crise hídrica produz em qualquer ambiente”, analisa.

Veja as principais ações empreendidas na área rural para enfrentamento da crise hídrica:

recuperacao_Canais_2-2-17-_Foto_Tony-Winston-3
Foto: Tony Winston

Recuperação de canais de irrigação

Em fevereiro de 2017, a Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural começou a revitalizar ramais de uso coletivo na Bacia do Descoberto.

Até agora, os canais dos Córregos Guariroba, Cristal e do Índio somam 9,8 quilômetros (km) de ramais revestidos com tubos e manilhas.

A meta é alcançar os outros três canais (Olaria 2ª fase, Capão Comprido ramais 1 e 2) até dezembro de 2018. Eles representam 22 km de braços de irrigação na área.

No Canal do Guariroba, por exemplo, a retirada passou de 60 litros por segundo antes da recuperação para 28 litros por segundo após a colocação dos tubos.

O canal do Rodeador, por sua vez, teve pontos críticos recuperados, e o revestimento dos 32 km dele depende de recursos externos ao DF.

revestimento_Foto-Pedro-Ventura_23_6_17-1
Foto: Pedro Ventura

Revestimento de tanques de irrigação

Uma parceria da Emater-DF com produtores permitiu que 72 tanques de armazenamento de água para irrigação fossem revestidos com lona em 2017.

Com isso, é possível diminuir a perda de água por infiltração em até 15%. O material foi, na maioria dos casos, custeado pelos ocupantes das propriedades. A meta para 2018 é completar 100 tanques revestidos, de acordo com a empresa pública.

capacitacao_Foto_Tony-Winston_17_1_17
Foto: Tony Winston

Capacitação de produtores rurais em manejo de irrigação

A substituição dos sistemas de irrigação de aspersão (pivô) para microaspersão ou gotejamento é um dos pilares para redução das perdas de água na agricultura e melhoria da produtividade.

Em 2017, a Emater-DF capacitou 447 produtores rurais, em todo o DF, para a troca das técnicas de irrigação. Para 2018, a meta é completar 600 agricultores aptos para a mudança.

Conversao_sistema_irrigacao_gotejamento_Foto_Pedro-Ventura_23_6_17
Foto: Pedro Ventura

Conversão de sistemas de irrigação

Para conversão da aspersão para os métodos de irrigação localizada, foram aprovados 338 planos de manejo. O estudo é feito por extensionistas rurais da Emater-DF e precede a implementação da técnica mais econômica.

Em 100 hectares, em todo o DF, o sistema de aspersão foi convertido para gotejamento ou microaspersão.

Estradas rurais são recuperadas na Bacia do Descoberto
Alto Descoberto, Brazlândia, Brasília, DF, Brasil 18/7/2017. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Adequação de estradas rurais

Como forma de evitar a erosão e o transporte de sedimentos para nascentes e cursos d’água, a Secretaria da Agricultura tem feito intervenções nas estradas da Bacia do Descoberto.

Em 2017, foram 21 km de vias recuperadas por meio da implementação de ondulações (peitos de pombo) para redução da velocidade de água da chuva escoada e compactação da terra.

Para 2018, a expectativa é atingir 160 km de estradas recuperadas.

Estradas rurais são recuperadas na Bacia do Descoberto
Alto Descoberto, Brazilândia, Brasília, DF, Brasil 18/7/2017. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Construção de bacias de contenção

Para favorecer a infiltração de água da chuva no solo, a Secretaria da Agricultura fez 160 bacias de contenção — popularmente chamadas de barraginhas — nas laterais de estradas rurais e dentro das propriedades da região do Descoberto.

Elas também servem de barreiras para conter o transporte de sedimentos, como pedras, gravetos e resíduos de solo soltos, para as nascentes.

Recuperação de estradas rurais melhora escoamento da produção agrícola
DF-310, Núcleo Rural Rajadinha, Paranoá, Brasília, DF, Brasil 21/8/2017. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

Implementação de terraços nas propriedades rurais

Com o objetivo de evitar a erosão nas lavouras, a Emater-DF estimulou a implementação de terraceamento em 57 hectares no Distrito Federal.

Popularmente chamados de terraços, eles são rampas niveladas que reduzem a velocidade de escoamento de água em locais de relevo acidentado.

Até dezembro de 2018, a expectativa é abranger 500 hectares com a medida.

Recuperacao_nascentes-Foto_Gabriel_Jabur_8_2_17
Foto: Gabriel Jabur

Recuperação de nascentes e áreas de preservação permanente

Para aumentar a produção de água na bacia do Descoberto, a Emater-DF estimulou os produtores rurais a plantarem mudas de espécies nativas do Cerrado em 67 hectares de nascentes e áreas de preservação permanente. Com isso, o solo fica protegido e a água infiltra com mais facilidade no lençol freático.

Da Agência Brasília

Da Folha Geral, em Salvador*

*Com colaboração de (agência, assessoria ou especialista)

Salvador terá pré-Carnaval nos dias 3 e 4 de fevereiro

Salvador terá pré-Carnaval nos dias 3 e 4 de fevereiro

1º Congresso Municipal dos Agricultores Familiares

Congresso de agricultores familiares em Petrolina discute Reforma da Previdência e políticas públicas para categoria