em

Relação entre a obesidade e o bullying

Crianças e jovens acima do peso, em sua maioria, sofrem com insultos e apelidos maldosos

Criança chorando, bullying
Foto: Divulgação

No dia Nacional de Combate ao Bullying, 7 de abril, é importante falar sobre saúde e obesidade. De acordo com o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), no Brasil, aproximadamente, um em cada dez estudantes é vitima de bullying na escola. E, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), uma em cada três crianças, está com o peso acima do ideal para a idade e altura. Sendo essas, as mais atacadas com insultos e apelidos, afetando a autoestima, desempenho escolar, além de outros problemas mais sérios.

A psicóloga Lia Clerot alerta que a obesidade entre jovens e crianças pode estar associada à depressão, estresse e ansiedade. “A criança que está acima do peso, muitas vezes sofre de algum distúrbio psicológico, o que pode dificultar até mesmo na socialização com os colegas na escola e também nas atividades extracurriculares”, explica.

Lia também ressalta que os pais precisam ficar atento às alterações emocionais ou mudanças de comportamento. “Alguns sinais como: tristeza, isolamento, auto cobrança apontam que algo está errado”, alerta.

Este é o caso da Manuelle Simões, de 10 anos. “Nós tivemos que trocá-la de escola, por falta de adaptação”, diz Ester Guedes, mãe da menina.

Saúde e bem-estar

A especililsta em emagrecimento Ana Carolina explica que há métodos, como o 5S kids, indicado para crianças de 5 a 13 anos, que precisam perder peso.

“Durante o processo, elas têm acompanhamento nutricional e psicológico mais a suplementação de: ômega 3 e um polivitamínico. O tratamento é lúdico, adaptado às necessidades de cada um”, ressalta Ana Carolina.

Além de tratar a obesidade infantil, a especialista garante que o processo de reeducação ajuda a combater maus hábitos alimentares e inclusive previne doenças, como: hipertensão e diabetes.

Segundo Ester, a participação da família foi um dos processos importantes na mudança alimentar da filha. “Nós tivemos que adquirir hábitos saudáveis para ajudar a Manuelle no processo de emagrecimento”, afirma.

“Se o objetivo é que a criança perca peso, sempre procure um profissional de saúde, pois ele quem vai ajudar a conciliar a rotina com um estilo de vida saudável”, finaliza a sócia-proprietária da D’ella Candia – Medicina Estética e Emagrecimento

Da Folha Geral, em Salvador*

*Com colaboração de (agência, assessoria ou especialista)

Lula

Defesa de Lula protocola pedido de habeas corpus junto ao STJ

Gabriela Bayerlein

Presidente da WBPF Brasil pede para musa fitness desmentir acusação de assédio