em de

Embasa investe para ampliar cobertura da rede de esgoto em Luís Eduardo Magalhães

Obra deve elevar atendimento para 68% da sede municipal

Obra de ampliação de esgoto em Luís Eduardo Magalhães - assentamento tubulação ramal
Obra de ampliação de esgoto em Luís Eduardo Magalhães – assentamento tubulação ramal. Foto: Divulgação

Para ampliar o acesso ao serviço de esgotamento sanitário no município de Luís Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia, a Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) vai investir cerca de R$ 9,5 milhões, com recursos próprios, ao longo deste ano. A obra consiste na execução dos chamados “ramais prediais”, que vão permitir a ligação de mais imóveis à rede coletora de esgoto já implantada e em operação, nos bairros Jardim Paraíso, Mimoso I, Mimoso II e Santa Cruz.

A previsão é que 5,5 mil novos imóveis passem a contar com o serviço de coleta e tratamento dos esgotos domésticos, que permite a destinação correta dos efluentes gerados no município, sem prejuízos ao meio ambiente. Para o gerente regional da Embasa, Francisco Araújo Andrade, com o trabalho que será executado ao longo do ano, a previsão é que a cobertura do sistema de esgotamento sanitário chegue a 68% da sede de Luís Eduardo Magalhães. “Embora tenham sido iniciadas este mês, as obras vão se intensificar com a diminuição das chuvas no município, quando teremos as condições ideais para a execução do serviço com a devida recomposição asfáltica, sem prejudicar o tráfego e o acesso das vias”, afirma.

Obra de ampliação de esgoto em Luís Eduardo Magalhães - assentamento tubulação ramal
Obra de ampliação de esgoto em Luís Eduardo Magalhães – assentamento tubulação ramal. Foto: Divulgação

Nos últimos cinco anos, a Embasa já havia investido um total de R$ 21,6 milhões na implantação do sistema de esgotamento sanitário de Luís Eduardo Magalhães, saindo do zero para a atual cobertura de 45% da sede municipal. Agora, a empresa está investindo mais recursos no “adensamento” dessa rede coletora, com a implantação de novos ramais, para que mais imóveis possam ser incorporados ao sistema.

Em operação / De acordo com a lei estadual nº 7.307/98 e decreto estadual nº 7.765/00, os moradores devem esperar ser notificados para executar as suas ligações intradomiciliares à rede coletora de esgoto, o que deve ser feito no prazo máximo de 90 dias. A Embasa iniciou a operação do Sistema de Esgotamento Sanitário de Luís Eduardo Magalhães em 2014, depois de intervenções para complementação do sistema construído pela Codevasf, no total de R$ 1,2 milhão com recursos próprios, o que vem garantindo a coleta e tratamento de esgotos domésticos de 11 mil imóveis dos seguintes bairros: Centro, Cidade Universitária, Jardim Paraíso, Mimoso I e II, Sol do Cerrado, Solar dos Buritis e Vista Alegre.

PUBLICIDADE

Publicidade

Teste grátis por 14 dias. Se você gostar, assine utilizando o cupom: LC3JQAWPE3XK74E e ganhe 20% de desconto durante 1 ano. Saiba mais em: Conheça o G Suite



Loading...

Da Folha Geral, em Salvador*

*Com colaboração de (agência, assessoria ou especialista)

PUBLICIDADE
Sebastião

Projeto ‘Soloteropolitanos’ desembarca em Salvador no Teatro Gregório de Mattos

3 anos do assassinato da modelo e dançarina Amanda Bueno