em de

WGP 53 coroa Bruno Gazani, Paulo Tebar e Jonas Salsicha em noite histórica

Campeões dos meio-médios e dos super-leves mantém títulos em duelos equilibrados neste sábado, em São Bernardo; Salsicha destrona Gaúcho com atuação segura

Paulo Tebar
Paulo Tebar. Foto: Divulgação

Conforme o esperado, a noite deste sábado, dia 6 de abril, entrou para a história do WGP Kickboxing. A edição 53, a primeira de 2019, agitou a cidade de São Bernardo do Campo (SP) com um card espetacular, nocautes avassaladores, novos e velhos campeões coroados e muito mais. Na luta principal Bruno Gazani bateu Petros Cabelinho em uma batalha muito equilibrada e manteve o cinturão dos meio-médios. Na co-luta mais um campeão se manteve no topo. Paulo Tebar encarou novamente Jordan Kranio após empate na primeira luta e levou a melhor por decisão majoritária, em outra guerra. Pelos super-médios um novo campeão foi coroado. Jonas Salsicha foi superior e bateu Diego Gaúcho por decisão unânime. Outros destaques da noite foram Robson Minotinho e Leo Corrales.

A luta principal do primeiro evento de 2019 fez jus às expectativas. Em um duelo de estilos o experiente campeão Bruno Gazani encarou a jovem promessa curitibana Petros Cabelinho, dono de uma envergadura incomum para os meio-médios. E em cima do estilo do adversário, Gazani tentava encurtar a distância, enquanto Petros apostava nos chutes e na movimentação. Apesar do campeão ter começado melhor o desafiante equilibrou o duelo, que foi decidido nos rounds finais. E pela maior contundência e agressividade de Gazani melhor para o campeão, que manteve o título por decisão unânime.

Paulo Tebar mantém título e Salsicha destrona Gaúcho

O co-main event do WGP 53 marcou o segundo capítulo de uma história que começou em 2017. Depois de um empate no primeiro encontro entre Paulo Tebar e Jordan Kranio, que culminou com Tebar mantendo o cinturão, eles voltaram a se enfrentar na noite deste sábado. E o que se viu foi uma postura mais agressiva do campeão, enquanto o desafiante apostava no contra golpes. Mas o combate se manteve equilibrado até o soar do gongo. Por ter conseguido um knockdown no meio do combate Paulinho Tebar levou a melhor por pouco e manteve o cinturão dos super-leves com uma vitória por decisão majoritária.

O primeiro duelo valendo cinturão da noite colocou frente a frente Diego Gaúcho e Jonas Salsicha. E não faltavam expectativas já que a luta era para ter acontecido em 2018. E dentro do ringue o que se viu foi um duelo muito estudado no início. Com o passar dos rounds, o desafiante Salsicha começou a se soltar e levar a melhor no duelo conectando bons golpes. Perto do final Gaúcho tentou manter a fama de tirar o nocaute da cartola, mas dessa vez foi diferente. Jonas Salsicha levou a melhor por unanimidade e é o novo campeão dos super-médios.

Minotinho nocauteia e Leo Corrales garante posto de desafiante nos leves

Quem fez a festa da galera no ginásio Poliesportivo de São Bernardo foi Robson Minotinho. Ex-desafiante ao cinturão dos meio-médios, ele mostrou que merece uma nova chance ao nocautear o argentino Sebastian Martino depois de uma linda sequência. No embate que abriu o card principal muita coisa estava em jogo. Quem vencesse o duelo entre boliviano Renzo Martinez e o argentino Leo Corrales garantia a chance de disputar o cinturão dos leves diante de Diego Piovesan. E quem ficou com o posto foi Leo Corrales por decisão unânime após ter sido mais contundente durante todo o duelo.

Também não faltaram emoções nas Superfights do evento de abertura do ano. O mais insano foi atropelo de Vitor Aquino diante do chileno Roberto Gonzalez que terminou em um lindo nocaute. O combate entre Léo Bahia e Luan Santos levantou o público presente e foi marcado pelo equilíbrio. Após os três rounds triunfo de Bahia por unanimidade. Já Paulo Sergipe e Nichollas Pestilli protagonizaram uma luta bem intensa, com vitória clara de Nichollas, para a festa da sua torcida, em peso no ginásio. Robson Bull Terrier e Wellington Lopes fizeram uma batalha memorável, com ambos deixando tudo no ringue. No final melhor para Wellington, vencedor por unanimidade.

O Undercard do WGP 53 pegou fogo. Com muita trocação e desfechos espetaculares os destaques foram Jorge Garcia com um nocaute relâmpago no início do primeiro round diante de Vinicius Gaspar e Fernando Ferreira, que bateu Hiago Souza depois de uma bela sequência no round inicial. Outro ponto alto dos duelos iniciais foi o triunfo de Alessandro Benacci sobre Fábio Silva, em duelo que valia o cinturão brasileiro da CBKB.

WGP 53 – Resultados oficiais

Bruno Gazani venceu Petros Freitas ‘Cabelinho’ por decisão unânime

Paulinho Tebar venceu Jordan Kranio por decisão majoritária

Jonas Júlio “Salsicha” venceu Diego Gaúcho por decisão unânime

Robson Minotinho venceu Sebastián “Tata” Martino por nocaute aos 46seg do segundo round

Leo Corrales venceu Renzo Martinez por decisão unânime

Vitor Aquino venceu Roberto Gonzalez por nocaute a 1min e 48seg do terceiro round

Leo ‘Bahia’ Pereira venceu Luan Santos por decisão unânime

Nichollas Pestilli venceu Paulo Santiago por decisão unânime

Wellington Lopes venceu Robson “Bull Terrier” Silva por decisão unânime

Undercard

Alessandro Benacci venceu Fabio Silva por nocaute ao 59seg do quarto round

Raphael Silva venceu Daniel Felipe por nocaute a 1min e 53seg do primeiro round

Fernando Ferreira venceu Hiago Souza por nocaute a 1min e 42seg do primeiro round

A luta entre Vinicius Barros e Romario Barbares acabou em No Contest

Isa Livramento venceu Bia Molina por decisão dividida

Gabriel Cavalari venceu Jorge Caballero por decisão unânime

Jorge Garcia venceu Vinicius Gaspar por nocaute aos 25seg do primeiro round

Haialas El Loco venceu Gabriel Fumaça por decisão unânime

PUBLICIDADE

Publicidade

Teste grátis por 14 dias. Se você gostar, assine utilizando o cupom: LC3JQAWPE3XK74E e ganhe 20% de desconto durante 1 ano. Saiba mais em: Conheça o G Suite



Loading...

Carol Paoli

Assessora de Imprensa

PUBLICIDADE
MC Calf

MC Calf lança hoje o clipe “Vai Dançando”

Ex-presidente Lula chega a Curitiba

1 ano de Lula preso: Qual o futuro da esquerda com seu principal líder fora do jogo?