em de

Ensinamentos do voluntariado

Ilustração. Foto: Pixabay

Muitos dizem que a vida ensina, e realmente o faz, para quem quer aprender, mas o voluntariado é uma grande fonte de aprendizado e desta só pode beber quem se voluntariar a isto (desculpe a redundância).

O voluntariado nos traz aprendizados de forma quase que instantânea, e sem precisar dizer o que está ensinando, vem de forma natural, como deveria ser a educação, natural, sem uma estrutura que obrigue você a aprender, principalmente aquilo que você não se identifica tanto, aquele ponto que para você é menos importante. O voluntariado traz isso de uma maneira agradável, fazendo você aprender trabalhando, se divertindo, ajudando, pensando, produzindo realmente.

Normalmente o voluntário produz algo mais palpável, onde ele vê o começo, meio e o fim, pois na maioria das vezes ele, o voluntario, faz parte do começo do meio e do fim.

Essa participação, ativa muitos de seus sentimentos, como o de pertencimento, de potencialidade, muitas vezes ele se julgava incapaz de fazer tal atividade, mas diante de um grupo, empurrado pela motivação, entusiasmado pela possibilidade, ele vai e realiza.

Os aprendizados são enormes, de trabalhar com outras pessoas com pensamentos diferentes, de respeito ao próximo e ao olhar alheio, de respeito ao valor das coisas, de respeito ao tempo seu e dos outros, de interesse pelo outro mesmo sem saber quem é ou de onde vem.

Cabe ao voluntário, depois de terminado o trabalho, refletir sobre o tempo em que passou envolvido na atividade, qualquer que possa ter sido e possa perceber quais foram esses aprendizados.

Para os jovens e crianças cabe um momento de conversa e de troca para que este conhecimento possa ser melhor assimilado e definido, bem como compreendido. Quer saber, para nós adultos também cabe este momento de papo para isso, não somos superiores em nada, muito menos dos jovens. Este é outro aprendizado que o voluntariado traz, não somos heróis, somos pessoas que “acordaram” para as possibilidades da vida um pouco mais cedo do que outros, pois o mundo do jeito que está, não vai muito longe, e isto não é uma profecia apocalíptica, é uma constatação, estamos ai rodeados pela violência, pelo discriminação de todos os tipos, pela intolerância, entre outros. Somos nós os responsáveis pelo que está posto e também pela mudança que pode acontecer. #desejeefaçaomundoquevocêqueracontecer

PUBLICIDADE

Publicidade

Teste grátis por 14 dias. Se você gostar, assine utilizando o cupom: LC3JQAWPE3XK74E e ganhe 20% de desconto durante 1 ano. Saiba mais em: Conheça o G Suite



Loading...

Construindo Cidadania

O autor é Roberto Ravagnani, palestrante, jornalista (MTB 0084753/SP), radialista (DRT 22.201), conteudista e Consultor de voluntariado e responsabilidade social empresarial. Voluntário palhaço hospitalar desde 2000, fundador da ONG Canto Cidadão, Associado para o voluntariado da GIA Consultores no Chile, fundador da Aliança Palhaços Pelo Mundo, Conselheiro Diretor da Rede Filantropia, sócio da empresa de consultoria Comunidea e Membro Engage for business.
www.robertoravagnani.com.br

PUBLICIDADE
Por unanimidade, TCM aprova retirada dos terceirizados do índice de pessoal

Prefeitos veem com preocupação saída de cubanos do Mais Médicos

não ao racismo, racism-2099030_1280

20 de novembro: Especialista esclarece diferenças entre crime de injúria racial e racismo